Por que você precisa visitar a região vinícola de Barolo, na Itália

Reprodução/Forbes
A Strada del Barolo e grandi vini di Langa, ou trilha do vinho Barolo, sugere uma série de itinerário de carro e a pé

É difícil imaginar uma maneira mais aprazível de passar um fim de semana prolongado no final do outono do que viajar pela bela zona rural de Langhe, no Piemonte, conhecida por sua produção de vinhos, classificados entre os melhores italianos, como Barolo e Barbera d’Alba.

LEIA MAIS: 6 hotéis de luxo em mercados emergentes

A Strada del Barolo e grandi vini di Langa, ou trilha do vinho Barolo, sugere uma série de itinerário de carro e a pé que ajudarão os interessados a se familiarizarem com a região.

Pontilhada de castelos, aldeias fortificadas e muitas vinícolas, bem como de trattorias e restaurantes que servem a sublime cucina piemontese, essa paisagem forrada de vinhedos é imperdível para qualquer apreciador de vinhos.

Veja, na galeria abaixo, algumas maneiras de desfrutar desse território extraordinário:

  • Aprecie a vida do castelo – com uma visita ou uma estadia
    Castelos são comuns em muitas partes do Piemonte, região estrategicamente importante desde os tempos romanos. Você pode visitar o bem preservado Castello di Monticello D’Alba, em Monticello D’Alba, propriedade dos condes de Roero, cuja família mora lá desde o século 14. O castelo, com interiores de safras mais “recentes”, ou seja, que datam do século 18 em diante, está aberto aos domingos (e durante a semana para grupos de 15 pessoas ou mais).

  • Castello di Pralormo
    Caso queira viajar um pouco ao norte (25 quilômetros de Alba), o imponente Castello di Pralormo, em Pralormo, também habitado por uma família aristocrática, pode ser visitado aos domingos, de março a novembro. Na propriedade estão as “suítes rurais” das casas do jardineiro, onde os visitantes podem se hospedar.

  • Castello di Guarene
    Para experimentar uma versão moderna e suntuosa da vida em um castelo ou palácio, dirija-se ao esplêndido Castello di Guarene, do século 18, um hotel Relais & Chateaux em Guarene com raízes na Idade Média.

  • Castello Falletti
    Outros castelos da região, que já não são propriedades privadas, abrigam museus ou enotecas – ou ambos. Na cidade de Barolo, é no Castello Falletti que você encontrará o WiMu, ou Museu do Vinho, e uma enoteca com Barolos dos principais produtores.

  • Castello Grinzane Cavour
    Ao visitar a propriedade, do século 13, local do famoso Leilão Mundial de Trufa Branca de Alba (que este ano acontecerá em 11 de novembro), visite o museu de Langhe para conhecer a história da cultura e da comida rural da região. Em seguida, siga para a enoteca, onde as ofertas incluem vinhos e grappas do Piemonte, e almoce no restaurante Al Castello. O conde Camillo Benso di Cavour, cuja família era proprietária do castelo no século 19, realiza visitas em datas selecionadas.

  • O vinho, é claro!
    Há muitas vinícolas que produzem Barolo e outros vinhos do Piemonte para visitar, como a Marchesi di Barolo, em Barolo, administrada pela família Abbona, viticultores de longa data na região e cujo ancestral Pietro Abbona foi pioneiro no desenvolvimento do famoso vinho da cidade. Lá você poderá contemplar as adegas do século 19 (com uma coleção de cerca de 36 mil vinhos de safras muito antigas e recentes) e saborear especialidades regionais na Foresteria, com refeições acompanhadas por diferentes vinhos da propriedade.

  • Fontanafredda
    Eleita como a Vinícola Europeia do Ano de 2017 pela revista “Wine Enthusiast”, a Fontanafredda, em Serralunga d’Alba, é uma propriedade que já pertenceu a um rei italiano, Vittorio Emanuele II. Você pode ficar hospedado na Vineyard Guest House (com 11 quartos), fazer uma caminhada meditativa na última floresta intacta da região de Langhe e degustar vinhos na adega ou em dois restaurantes (o Guido Ristorante fica no antigo palacete real).

  • Poderi Luigi Einaudi
    Localiada em Dogliani, foi fundada no final do século 19 por Luigi Einaudi, que viria a ser presidente da Itália (1948-1955). Apesar de sua posição proeminente, Einaudi sempre retornava à propriedade para a época da colheita. Se você quiser ficar por lá, há um Relais adorável com 10 quartos (oito quartos de casal e duas suítes).

  • Planejamento
    Ao planejar as suas viagens, você poderá ter uma boa introdução aos vinhos locais por meio do programa Wine Tasting Experience®, organizado pela Strada del Barolo. Esses seminários, realizados nos melhores lugares da região, são realizados aos sábados (grupos de seis ou mais podem agendar suas próprias datas). Entre os assuntos estão os crus de Barolo e os diferentes tipos de vinho de Nebbiolo, a uva usada nos vinhos Barolo, Barbaresco e Roero. Você também tem a oportunidade de degustar os melhores vinhos.

  • As cidades e aldeias da Strada del Barolo
    A Strada del Barolo oferece diversas rotas para ajudá-lo a explorar a área, dependendo de seus interesses (além dos excelentes vinhos). Há as cidades de visita obrigatória, como Barolo, Alba e La Morra, onde você pode percorrer vários caminhos, como a trilha Grand Vineyard (8 km) e a trilha Barolo (11,5 km). Os entusiastas da fotografia devem experimentar o roteiro de carro que vai de Verduno a Diano d’Alba, com paradas ao longo do caminho para clicar as arrebatadoras paisagens campestres. Outro lugar que vale a pena visitar é Monforte d’Alba, uma joia medieval sobre uma colina com vistas que se estendem até os Alpes. Os amantes da arte desejarão conferir o seiscentista Palazzo Salmatoris, em Cherasco, onde são realizadas exposições de arte contemporânea. Em Dogliani, você encontrará obras de Giovanni Battista Schellino, conhecido como o “Gaudi de Le Langhe” pela arquitetura influente e imaginativa que ele produziu na região, no século 19. Em Monchiero Alto, há o Museo Eso Peluzzi, dedicado às pinturas do notável pontilhista.

  • A experiência gastronômica
    Além das trufas brancas (a Feira Internacional da Trufa Branca de Alba vai até 25 de novembro), são muitas as comidas deliciosas. As avelãs com denominação de origem protegida (DOP) que são cultivadas localmente são usadas em bolos, biscoitos (Baci di Dama) e outros doces. (Alba também é a cidade onde foi fundada a Ferrero, empresa internacional que produz a Nutella e os doces Ferrero Rocher, ambos à base de avelãs.) E elas não são usadas apenas nas sobremesas: dão o ar de sua graça no indispensável prato de massa na forma de salsa di nocciole, ou molho de avelãs. O Piemonte tem uma série de queijos DOP, como o Robiola di Roccaverano, cujo sabor salgado combina bem com uma porção de mel, o Gorgonzola e o Castelmango, em geral servido como fondue. As massas mais difundidas lá são o tajarin, que pode se assemelhar a um espaguete ou tagliatelle, e o agnolotti del plin, parecido com ravióli. Ambos costumam ser servidos com sálvia e manteiga.

Aprecie a vida do castelo – com uma visita ou uma estadia
Castelos são comuns em muitas partes do Piemonte, região estrategicamente importante desde os tempos romanos. Você pode visitar o bem preservado Castello di Monticello D’Alba, em Monticello D’Alba, propriedade dos condes de Roero, cuja família mora lá desde o século 14. O castelo, com interiores de safras mais “recentes”, ou seja, que datam do século 18 em diante, está aberto aos domingos (e durante a semana para grupos de 15 pessoas ou mais).

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).