10 países mais afetados economicamente pela violência

O mundo está menos pacífico hoje do que em qualquer outro período da última década, segundo uma nova pesquisa do Instituto de Economia e Paz (IEP), divulgada no dia 6. A última edição do Global Peace Index estimou que a violência custou US$ 14,8 trilhões à economia mundial em 2017, o equivalente a 12,4% do PIB global, ou quase US$ 2 mil por pessoa. O impacto econômico global da violência aumentou 2,1% de 2016 para 2017, principalmente devido a um aumento nos gastos com segurança interna.

LEIA MAIS: Onde e por que o mundo tem ficado mais perigoso

Os países presentes neste ranking têm altos níveis de conflito armado, de violência interpessoal ou uma combinação de ambos. Os países afetados (Síria, Iraque, Afeganistão, Colômbia, Sudão do Sul, Somália e República Centro-Africana) sofrem com custos mais elevados na forma de mortes e feridos por combates ou terrorismo, deslocamento populacional e perdas do PIB.

A Síria, devastada pela guerra, é a nação mais atingida. Com o custo da violência de 68% do PIB, ocupa a liderança do ranking. Afeganistão e Iraque ficaram em segundo e terceiro lugares, com 63% e 51%, respectivamente.

Por outro lado, países com altos níveis de violência interpessoal, como El Salvador
e Lesoto, estão na lista por conta dos imensos custos associados a níveis mais altos de homicídio e crimes violentos.

Veja, na galeria de fotos a seguir, os 10 países mais afetados economicamente pela violência, com o custo dela como porcentagem do PIB em 2017:

  • 9. Somália – 30% (empate)

  • 9. Lesoto – 30% (empate)

  • 8. Colômbia – 34%

  • 7. Chipre – 37%

  • 6. República Centro-Africana – 38%

  • 4. Sudão do Sul – 49% (empate)

  • 4. El Salvador – 49% (empate)

  • 3. Iraque – 51%

  • 2. Afeganistão – 63%

  • 1. Síria – 68%

9. Somália – 30% (empate)

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).