12 países com maior exposição a fake news

É importante ter um bom repertório quando se trata de separar fatos falsos de verdadeiros. Segundo o Statista, este foi um dos aspectos importantes do Reuters Institute Digital News Report, que analisou a confiança e a desinformação no consumo de notícias globais.

VEJA TAMBÉM: Facebook deve excluir fake news sobre Marina Silva

Sem grandes surpresas, o relatório descobriu que pessoas com nível mais alto de interesse em notícias tendem a ter maior preocupação com fake news. em países onde os níveis de alfabetização noticiosa são altos, as pessoas estão mais propensas a identificar conteúdo satírico, mentiras e exemplos de jornalismo pobre.

A autoexposição a notícias falsas é mais alta na Turquia, onde 49% dos entrevistados disseram que consumiram informações completamente inventadas. O número também é alto nos Estados Unidos (31%), embora não seja surpreendente, dado a explosão de fake news durante as eleições presidenciais de 2016 e sua prevalência desde então. Mais surpreendente é o baixo índice (15%) no Reino Unido se for levado em conta o nível de controvérsia em relação à desinformação durante a votação do Brexit no país. O Brasil aparece em terceiro no ranking, com 35%.

O relatório da Reuters deste ano teve como base um levantamento feito com 74 mil pessoas, em 37 países diferentes.

Veja na galeria de fotos abaixo os países com maior consumo de fake news até janeiro e fevereiro deste ano:

  • 1. Turquia, 49%

  • 2. México, 43%

  • 3. Brasil, 35%

  • 4. Estados Unidos, 31%

  • 5. Coreia do Sul, 30%

  • 6. Espanha, 29%

  • 7. Austrália, 25%

  • 8. Canadá, 19%

  • 9. Japão, 17%

  • 10. França, 16%

  • 11. Reino Unido, 15%

  • 12. Alemanha, 9%

1. Turquia, 49%

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).