10 cidades que mais aceitam Bitcoin no mundo

10 cidades que mais aceitam Bitcoin no mundo - iStock
À medida que avançam, as criptomoedas passam a ser adotadas em estabelecimentos de cidades pelo mundo.

A criptografia não tem fronteiras. E quando você negocia Bitcoin ou recebe a moeda como pagamento por um trabalho, o ciclo está completo. Mas, e quando você quer gastar com Bitcoin? À medida que o BTC e outras moedas, como Ethereum ou Litecoin, começam a decolar, as cidades do mundo passam, aos poucos, a adotar as criptomoedas. Algumas, claro, mais do que outras.

VEJA TAMBÉM: Bitcoin despenca após ataque à bolsa coreana Coinrail

Embora centros tecnológicos como São Francisco ou Seul sejam pontos de acesso óbvios, há inesperadas criptocidades surgindo, como Praga, Tel Aviv, Buenos Aires e Bangcoc.

Para rastrear os hotspots de Bitcoin em todo o mundo, a FORBES consultou o Coinmap em 24 de julho de 2018. Foram registrados os fornecedores de BTC listados em uma cidade sem incluir os subúrbios correspondentes. Em teoria, isso coloca as cidades em expansão urbana em desvantagem, mas evita que equívocos humanos distorçam os dados, já que, dependendo da região onde é feito o levantamento, existe a tendência de incluir os arredores. Também vale mencionar que o CoinMap depende do crowdsourcing (contribuição colaborativa) para listar todos os fornecedores que aceitam Bitcoin.

Os maiores hotspots de Bitcoin do mundo

Praga, na República Tcheca, possui o maior número de estabelecimentos que aceitam Bitcoin no mundo. Um usuário de criptomoeda passou o verão por lá em 2017 apenas por causa dos locais que aceitavam a forma de pagamento. O país também tem uma alta densidade de negócios em áreas rurais, com Žatec abrigando mais de 50 empresas que fazem transações com a criptomoeda.

Buenos Aires, na Argentina, é segunda maior em negociação de Bitcoin do mundo. A América do Sul, em geral, é um continente pesado em BTC, com cidades como Bogotá (Colômbia), Caracas (Venezuela) e São Paulo (Brasil) concentrando mais de 30 empresas cada que aceitam Bitcoin.

Em 3o lugar na lista das melhores cidades para Bitcoin estão São Francisco, com mais de uma centena de empresas que trabalham com a moeda. Quando Felix Weis visitou a cidade norte-americana durante seu desafio de passar 18 meses apenas com criptomoeda, ele disse que sua estadia na cidade californiana foi muito fácil. Certamente tudo mudou muito desde 2013, quando o ex-funcionário da FORBES e agora jornalista do “Gizmodo Media”, Kashmir Hill, passou uma semana gastando apenas BTC e a experiência não foi tão confortável assim.

E AINDA: Buffett critica bitcoin e diz que prefere ações

Para fechar o Top 5 estão Madri, a capital da Espanha, e Nova York, nos Estados Unidos. Amsterdã, na Holanda, ficou em 6o lugar, enquanto Bogotá, na Colômbia, vem logo atrás. Vancouver, no Canadá, ficou com a 8a posição, seguida por Londres, no Reino Unido, e Paris, França.

Regiões como o Oriente Médio, África e Ásia estão ausentes do Top 10, embora muitos consumidores que usam a moeda tenham relatado passar um tempo em países do Sudeste Asiático como Tailândia e Indonésia. Tel Aviv, em Israel, também ostenta o crescente uso de Bitcoin, bem como a Cidade do Cabo, na África do Sul, e Melbourne e Sydney, ambas na Austrália.

A divisão urbana-rural do BTC

Um ótica interessante é que os pontos de acesso de Bitcoin não são necessariamente todos urbanos. Alguns países com altas densidades de empresas de criptografia, como o Brasil, a Tailândia e o Reino Unido, possuem quantidades similares de fornecedores que aceitam a moeda em cidades pequenas ou regiões e capitais. Arnhem, na Holanda, por exemplo, possui mais de 80 empresas de aceitação, enquanto Amsterdã tem apenas 43.

A ascensão dos centros de negócios de criptografia

Governos de todo o mundo estão tendo reações variadas ao Bitcoin. Por um lado, os centros internacionais de negócios, como Suíça e Singapura, abriram seus braços para a criptografia, mas onde o governo local não dá apoio, há menos fornecedores de BTCs.

SAIBA MAIS: Empresário coloca casa à venda por US$ 8 mi em Bitcoin

Alguns países, como a China, inicialmente se mostraram favoráveis à criptomoeda apenas para desativar as trocas mais tarde, o que significa que cidades como Pequim mal se classificam em termos de empresas aceitadoras de BTC. Países do Golfo, como os Emirados Árabes Unidos ou a Arábia Saudita, têm hesitado em adotar a criptografia e estão notavelmente ausentes do mapa mundial.

Quando o Bitcoin oferece uma pausa da inflação

Uma das tendências mais interessantes no uso internacional do Bitcoin é como ele é usada globalmente para sustentar a inflação. Cidadãos em países como Argentina, Venezuela e Zimbábue estão adotando a moeda pela alta proteção contra o reajuste constante de preços.

Laura Shin, ex-integrante da FORBES e apresentadora de dois podcasts sobre criptografia, discutiu o assunto recentemente no “Unconfirmed” – um de seus programas – com Alex Gladstein, que disse que 8% das transações feitas com Bitcoin no mundo estavam ocorrendo na Venezuela. Laura confirmou essa estatística e apontou que “a Venezuela não tem 8% da população mundial”. Segundo a jornalista, é nos países onde a moeda corrente é instável que a criptomoeda é realmente útil.

Não importa por que um país está adotando o Bitcoin, basta olhar para o CoinMap para entender se ela é mesmo global. “Nós sempre vendemos voos internacionais, mas nossos eram quase todos norte-americanos”, conta Jeff Klee, CEO da CheapAir, um site de reservas que começou a oferecer opções de pagamento em criptomoedas em 2013. Até agora, a empresa já vendeu mais de US$ 15 milhões em vôos e hotéis pagos com Bitcoin, e, neste momento, também aceita pagamentos em Litecoin e Dash. “Quanto passamos a aceitar Bitcoin, pessoas de todos os países começaram a se interessar pelos nossos serviços.”

Veja, na galeria de imagens a seguir, as 10 principais cidades que aceitam Bitcoin de todo o mundo:

  • 10. Paris

    País: França
    Pontos de aceitação: 82

  • 9. Londres

    País: Reino Unido
    Pontos de aceitação: 85

  • 8. Vancouver

    País: Canadá
    Pontos de aceitação: 86

  • 7. Bogotá

    País: Colômbia
    Pontos de aceitação: 87

  • 6. Amsterdã

    País: Holanda
    Pontos de aceitação: 88

  • 5. Nova York

    País: Estados unidos
    Pontos de aceitação: 101

  • 5. Madri

    País: Espanha
    Pontos de aceitação: 101

  • 3. São Francisco

    País: Estados Unidos
    Pontos de aceitação: 117

  • 2. Buenos Aires

    País: Argentina
    Pontos de aceitação: 141

  • 1. Praga

    País: República Checa
    Pontos de aceitação: 147

10. Paris

País: França
Pontos de aceitação: 82

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).