Os destinos turísticos que mais crescem no mundo

A nova edição do relatório anual sobre viagens globais e turismo da Organização Mundial de Turismo das Nações Unidas (UNWTO) mostra que os viajantes internacionais movimentaram US$ 1,3 bilhão em 2017, valor 6,8% acima do registrado no ano anterior. A alta é a maior desde 2009.

VEJA TAMBÉM: Como o setor de turismo está eliminando o plástico

As duas regiões com maior crescimento no turismo, de acordo com o estudo, que analisa as tendências do setor em todo o mundo, foram a África, com 9%, e a Europa, com 8%.

Mas a Europa, e é isso o que impressiona no relatório, responde sozinha por mais da metade dos desembarques de turistas do mundo, 671 milhões, enquanto a África tem menos de um décimo desse volume, apenas 63 milhões.

Os viajantes europeus são agentes de 48% do turismo de saída, seguidos pelos viajantes oriundos da região Ásia-Pacífico, com 25% do total. Turistas das Américas respondem por 17%, os do Oriente Médio por 3%, os da África por 3% e viajantes de origem não conhecida, pelos 4% restantes.

Os gastos dos turistas internacionais também aumentaram: tiveram expansão de 5% e chegaram a US$ 1,34 bilhão. Quase 40% desse valor ficou na Europa, seguida pela região Ásia-Pacífico, que reteve 29% dos recursos dos turistas, e pelas Américas, com 24%.

E AINDA: Viagens com a família inteira são tendência de turismo em 2018

Quem está gastando todo esse dinheiro? O relatório aponta que um quinto da quantia — US$ 258 bilhões — saiu do bolso de turistas chineses. Os norte-americanos ficaram em segundo lugar no quesito, com gastos de US$ 135 bilhões.

O estudo também observa que sete dos destinos mais procurados estão duas vezes no top 10: tanto em termos de números de chegadas (desembarques) como de receitas (gastos).

A principal rota de transporte usada por turistas internacionais em 2017 foi a via aérea (57% das viagens), seguida por estradas (37%), água (4%) e ferrovia (2%). O lazer motivou 55% dos traslados, e os negócios, apenas 13%. As outras viagens não tiveram causa especificada, mas podem se enquadrar em uma série de razões, como visitar familiares, tratamentos de saúde ou ritos religiosos.

Ainda segundo o relatório, quatro em cada cinco turistas viajaram dentro da própria região. Assim, à medida que continentes como a Ásia e a África desenvolverem sua infraestrutura para o turismo, a tendência é que seus números se expandam nos próximos anos, tanto em termos de visitas quanto do consumo de turistas.

LEIA MAIS: 15 países onde o turismo mais impulsiona a economia

Acompanhe na galeria de imagens a seguir os 10 destinos que mais ganharam visitantes em 2017, os 10 destinos com maior número total de turistas, e os 10 destinos em que turistas gastaram mais.

  • Países com maior crescimento percentual de visitantes:

  • 1. Egito: 55,1%

  • 2. Togo: 46,7%

  • 3. Vietnã: 29,1%

  • 4. Geórgia: 27,9%

  • 5. Palestina: 25,7%

  • 6. Niue: 25,4%

  • 7. Nepal: 24,8%

  • 8. Israel: 24,6%

  • 9. Ilhas Marianas do Norte: 24,3%

  • 10. Islândia (empate): 24,1%

  • 10. Turquia (empate): 24,1%

  • Países com maior número de visitantes

  • 1. França: 86,9 milhões

  • 2. Espanha: 81,8 milhões

  • 3. Estados Unidos: 75,9 milhões

  • 4. China: 60,7 milhões

  • 5. Itália: 58,3 milhões

  • 6. México: 39,3 milhões

  • 7. Reino Unido: 37,7 milhões

  • 8. Turquia: 37,6 milhões

  • 9. Alemanha: 37,5 milhões

  • 10. Tailândia: 35,4 milhões

  • Países com os turistas mais gastadores

  • 1. China: US$ 257,7 bilhões

  • 2. Estados Unidos: US$ 135 bilhões

  • 3. Alemanha: US$ 89,1 bilhões

  • 4. Reino Unido: US$ 71,4 bilhões

  • 5. França: US$ 41,4 bilhões

  • 6. Austrália: US$ 34,2 bilhões

  • 7. Canadá: US$ 31,8 bilhões

  • 8. Rússia US$ 31,1 bilhões

  • 9. Coreia do Sul: US$ 30,6 bilhões

  • 10. Itália: US$ 27,7 bilhões

Países com maior crescimento percentual de visitantes:

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).