10 Artistas de Hip Hop Mais Promissores de 2019

GettyImages
Tendo a mãe como empresária, Rico Nasty começou a fazer rap ainda na adolescência

Resumo:

  • Ranking elege 10 artistas do hip hop mais promissores de 2019;
  • Corpo de jurados contou com a participação de Nipsey Hussl, que fez parte da lista em 2015 e escolheu seus prediletos do ano dias antes de sua morte em março deste ano;
  • Rico Nasty é destaque por ainda não ter lançado seu álbum oficialmente, mas contar com uma legião de fãs.

Em uma manhã incrivelmente brilhante no final do South By Southwest, mistura de festival e conferência de música e tecnologia realizada sempre na primavera norte-americana em Austin, no Texas, Rico Nasty sobe ao palco para um painel de discussão – e encontra outra maneira de aumentar seus ganhos. Vestida com um macacão preto e verde-limão, ela posa com seu modelito para as câmeras. Depois do evento, a artista passa alguns instantes falando sobre seu look.

VEJA TAMBÉM: 10 artistas de hip hop mais promissores de 2018

“Eu o comprei há alguns dias e, provavelmente, vou usá-lo uma única vez, mas haverá muitas fotos”, disse a rapper de 21 anos antes de traçar seu plano de vender o macacão por meio do aplicativo Depop, como ela faz com a maioria das roupas que usa em público. “Fizemos, provavelmente, US$ 20 mil nos últimos dois meses.”

Nascida Maria Cecilia Simone Kelly, no bairro do Brooklyn, em Nova York, Rico começou a fazer rap na escola antes de lançar uma série de mixtapes. Ela assinou contrato com a Atlantic Records e ainda não lançou seu álbum de estreia formalmente, mas já está entre as artistas mais proeminentes da música, ganhando um lugar na nova edição da lista os 10 Artistas de Hip Hop Mais Promissores de 2019 da Forbes. E com um número crescente de mulheres como Rico estourando nas paradas do rap, estamos formalmente mudando o nome do nosso ranking para Príncipes e Princesas do Hip Hop.

A lista, apresentada na íntegra abaixo, inclui os dez melhores artistas e produtores com menos de 30 anos em termos de potencial de ganhos futuros, de acordo com o julgamento de um painel formado por especialistas; nenhuma repetição é permitida. A lista de jurados deste ano inclui Nipsey Hussle, um dos eleitos em 2015 que enviou seus votos poucos dias antes de falecer tragicamente em março deste ano; Mickey Shiloh, compositor e Under 30; o membro do Hall da Fama da NBA, Shaquille O’Neal, que se encantou com Rico; e os editores da Forbes Zack O’Malley Greenburg e Natalie Robehmed.

E AINDA: 5 artistas de hip-hop mais ricos de 2018

“Rico Nasty é uma das melhores armadoras do hip hop”, diz o atleta, cujo currículo inclui também uma carreira como DJ e rapper. “Na posição de armadora, ela é capaz de marcar de muitas maneiras e de se adaptar ao estilo de jogo. É dinâmica, sempre dedicada ao trabalho, melhorando seu jogo e atualizando seu som”, analisa.

Mas, primeiro, Rico teve que sair do banco. Depois de se mudar de Nova York para Maryland quando criança, ela começou a fazer rap durante a adolescência, tendo a mãe como empresária. Para viabilizar o primeiro show de Rico, elas pagaram US$ 200 para alugar um espaço, imaginando que poderiam dobrar os rendimentos ao cobrar US$ 20 por ingresso. Apenas seis pessoas apareceram.

A artista lembra de reorganizar a vida depois disso: mudou-se da casa de sua mãe e começou a trabalhar para construir sua carreira a partir do zero. Isso significava gravar mixtapes e interagir com seus fãs individualmente – tanto nas mídias sociais quanto pessoalmente, enquanto apresentava performances ao vivo novamente em Washington, DC, Maryland e Virgínia.

“Eu fazia de tudo para levar as pessoas para além dos shows”, diz ela, lembrando seus primeiros esforços para trazer os fãs para o time. “Esta é a minha oportunidade de fazer dessas pessoas amigos da vida, em certo sentido.”

LEIA AQUI: Quem foram os “winners and losers” da música em 2018

Em 2017, o single “Poppin” foi lançado no YouTube e exibido no Insecure, da HBO. No ano seguinte, Rico assinou com a Atlantic e lançou outra música. Seu pagamento por shows ao vivo começou a subir proporcionalmente. Dos dias de luta para conseguir US$ 100 por show, ela foi para uma média de US$ 7 mil por apresentação antes de conseguir um cachê estimado em US$ 35 mil por seu desempenho no Coachella no último final de semana (ela não confirmou o valor exato). “Cinco dígitos”, ela diz timidamente. “Essa coisa é incrível de dizer em voz alta.”

Rico ainda tem caminhos a percorrer antes de chegar ao nível dos headliners do festival, cujos shows valem cachês de sete dígitos. Enquanto isso, ela está investindo em outras formas de ampliar sua marca. Além do trabalho com o app Depop, ela lançou recentemente uma linha de fones de ouvido com a Skullcandy. E do fornecedor de acessórios de maconha Hemper ela recebe um bônus por cada unidade vendida de narguilé, seda e aromatizadores de ar da linha que leva seu nome.

“Alguém que cria sua própria raia é obrigado a fazer ondas a longo prazo”, diz Mickey Shiloh sobre a jovem artista.

Veja, na galeria de fotos a seguir, os 10 Príncipes e Princesas do Hip Hop em 2019:

  • 6LACK

    “O tom de 6LACK é completamente seu”, diz Shiloh. “A composição também é o que leva sua arte a um nível totalmente novo… É algo que você não consegue encontrar palavras para descrever”, completa o jurado.

  • A Boogie Wit Da Hoodie

    O rapper nascido no Bronx não é exatamente um estranho no mundo dos rappers promissores. Boogie contribuiu para a antiga anterior, incluindo 21 Savage e Offset of Migos. Ele está se tornando uma estrela por si só: seu segundo álbum, “Hoodie SZN”, liderou o ranking logo após seu lançamento em dezembro de 2018.

  • Bad Bunny

    O rapper mistura o hip hop com o reggaeton tão perfeitamente quanto transmite suas letras em inglês e espanhol em canções populares como “I Like It”, de Cardi B, seu primeiro sucesso nos Estados Unidos. Bad Bunny agora arrecada mais de US$ 500 mil por cada performance da turnê.

  • Blueface

    A assinatura da Cash Money Records ganhou notoriedade com a música “Thotiana” – da mixtape “Famous Cryp”, de 2018 – que subiu para a 8ª posição nas paradas de singles dos EUA. O rapper de Los Angeles foi uma das melhores escolhas de Nipsey Hussle: ambos superaram as gangues para estar entre os artistas de hip hop mais proeminentes de 2019 e gravar com YG.

  • Juice Wrld

    O primeiro emprego da estrela do hip hop nascida em Chicago foi em uma fábrica, produzindo peças de carros. No ano passado, após o lançamento de “Lucid Dreams”, que chegou à vice-liderança do Hot 100, da Billboard, ganhou o mainstream. Aos 20 anos, o jovem artista revela o pior conselho que já recebeu: “Me pediram para mudar meu estilo musical e tentar ser mais popular”.

  • Lil Baby

    O MC nascido em Atlanta já está acumulando números da realeza: sua estreia em 2018, “Harder Than Ever”, ganhou o certificado de ouro em vendas, o que significa mais de 500 mil unidades comercializadas. O artista agora arrecada mais de US$ 70 mil por show da turnê.

  • Gunna

    O nativo da Geórgia começou com a ajuda de um antigo participante da lista, Young Thug, cuja gravadora YSL colançou o primeiro álbum, “Drip Or Drown”, que chegou ao 3o lugar nas paradas da Billboard em fevereiro. Seu single “Drip Too Hard”, em parceria com Lil Baby, ganhou o certificado triplo de platina.

  • Russ

    A estrela do hip hop que faturou US$ 15 milhões no ano passado começou sua vida profissional como auxiliar de garçom. Viciado no aplicativo Uber Eats, o artista de 26 anos de New Jersey já tinha lançado 11 álbuns e 87 singles até fechar uma parceria com a Columbia, em 2016. Desde então, ele já emplacou os singles “What They Want” e “Losin Control” nos rankings da Billboard. Sua maior conquista? “Estar em uma posição na qual eu possa cuidar da minha família.”

  • Rico Nasty

    “Eu nunca ouvi nada parecido com o que sai da boca da Rico Nasty”, diz Shiloh. “Ela é uma armadilha. Ela é urbana, mas também tem influência do rock com nuances de screamo”, diz o jurado.

  • Tierra Whack

    Com um tom peculiar, a novata da Filadélfia fez sua estreia em grandes gravadoras no ano passado, com a parceria com a Interscope e o lançamento de “Whack World”, aclamado pela crítica. O álbum bem colocado nas redes sociais contou com 15 músicas de um minuto. A artista recebeu uma indicação ao Grammy na categoria Melhor Videoclipe deste ano para seu single de 2017 “Mumbo Jumbo”.

6LACK

“O tom de 6LACK é completamente seu”, diz Shiloh. “A composição também é o que leva sua arte a um nível totalmente novo… É algo que você não consegue encontrar palavras para descrever”, completa o jurado.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).