5 divórcios de bilionários mais caros da história

Resumo da matéria

  • Jeff e MacKenzie Bezos anunciaram ontem (4) o acordo de divórcio, que se tornou o maior da história
  • MacKenzie receberá cerca de 4% das ações da Amazon, atualmente avaliadas em mais de US$ 35 bilhões, e provavelmente se tornará a 3ª mulher mais rica do mundo
  • Entre os divórcios já registrados pela Forbes, o segundo maior acordo foi feito entre Bill e Sue Gross

Jeff Bezos anunciou ontem (4) que dará 4% das ações da Amazon, avaliadas em US$ 35 bilhões, para MacKenzie como parte da separação, o que faz da negociação o maior acordo de divórcio da história. Em janeiro, depois do anúncio do casal, Forbes elaborou uma lista dos maiores, mais estranhos e mais notáveis divórcios de bilionários já registrados. Em alguns casos, como a separação entre Anne Wojcicki e Sergey Brin, do Google, os valores não foram divulgados.

LEIA MAIS: Jeff Bezos dará US$ 35 bi em ações a MacKenzie

Veja, na galeria de fotos abaixo, os 5 maiores divórcios de bilionários da história:

  • 5. Roy E. e Patricia Disney – US$ 600 milhões

    Após 52 anos de casamento, Roy e sua esposa pediram o divórcio em 2007, aos 77 e 72 anos de idade, respectivamente. O sobrinho de Walt Disney tinha um patrimônio estimado de US$ 1,3 bilhão na época. Anteriormente membro fixo da Forbes 400, Roy perdeu quase metade de sua fortuna na separação e também o lugar na lista. Em 2008, casou-se com a escritora e produtora Leslie DeMeuse. Ele morreu um ano depois. Patricia faleceu em 2012. Em homenagem aos nomes dos dois, uma fundação familiar apoia causas ambientais e econômicas, com ativos de US$ 122 milhões (dado de 2016).

  • 4. Harold Hamm e Sue Ann Arnall – US$ 975 milhões

    Após três anos de amargos procedimentos judiciais, o magnata do petróleo Harold Hamm tentou, em 2015, terminar seu casamento de 26 anos – sem acordo pré-nupcial – com Sue Ann assinando um cheque no valor de US$ 974.790.317,77 de sua conta no Morgan Stanley. Sue o depositou mas, em seguida, mudou de ideia. Decidiu que queria mais e entrou com um recurso em busca de uma fatia maior da fortuna de US$ 13,7 bilhões de Hamm, vinculada à sua participação de 75% na Continental Resources. Em abril de 2015, a Suprema Corte de Oklahoma encerrou a saga, com um veredito a favor de Harold, argumentando com base no precedente de que Sue Ann havia concordado com a quantia inicial ao assinar e depositar o cheque. Posteriormente, ela financiou um comitê de ação política que derrubou o juiz responsável pela decisão.

  • 3. Steve e Elaine Wynn – US$ 850 milhões

    Os cofundadores da gigante do cassino Wynn Resorts se divorciaram (pela segunda vez) em 2010. O acordo determinou que Elaine, integrante do conselho da Wynn Resorts desde 2002, recebesse um total de 11 milhões de ações, avaliadas em US$ 795 milhões. Naquele ano, Steve também vendeu cerca de US$ 114 milhões em ações – quantia que foi parcialmente ou totalmente direcionada para Elaine como parte do acordo. Ela, então, processou a Wynn Resorts em 2012 com a finalidade de vender parte de sua participação de 9% e foi expulsa do conselho três anos depois.

    Depois que Steve deixou o cargo de CEO e presidente, em fevereiro de 2018, em meio a alegações de assédio sexual – negadas pelo executivo -, ele decidiu vender todas as suas ações. Elaine, agora com uma fortuna estimada em US$ 2 bilhões, é a maior acionista da Wynn Resorts.

  • 2. Bill e Sue Gross – US$ 1,3 bilhão

    A separação confusa entre Bill e Sue Gross fez surgir uma nova bilionária, mas acabou com a fortuna de outro. Sue pediu o divórcio em 2016 do fundador da gestora de ativos Pimco. Um ano depois, ela recebeu uma fortuna de US$ 1,3 bilhão, incluindo uma casa em Laguna Beach (Califórnia) avaliada em US$ 36 milhões e a pintura de Picasso “Le Repos”, de 1932, que posteriormente foi vendido por US$ 35 milhões. Apesar das tentativas de Bill de ficar com um de seus três gatos de estimação, Sue conseguiu a custódia de todos eles. O executivo perdeu seu lugar na lista Forbes 400 em 2018, após 14 anos consecutivos de participação. Atualmente, ambos dirigem seus próprios institutos de caridade.

  • 1. Jeff e MacKenzie Bezos – pelo menos US$ 35 bilhões

    O casal se conheceu enquanto ambos trabalhavam no fundo hedge D.E. Shaw, em Nova York. Depois que se mudaram para Seattle, MacKenzie ajudou Jeff a tirar a Amazon do papel. Ontem, eles anunciaram os termos de divórcio, que provavelmente se oficializará durante o verão no Hemisfério Norte. Ela receberá cerca de 4% das ações em circulação da Amazon – atualmente avaliadas em mais de US$ 35 bilhões. Jeff continuará como proprietário da empresa de foguetes Blue Origin e do jornal “The Washington Post”. Quando o divórcio for finalizado, MacKenzie provavelmente será a 3ª mulher mais rica do mundo.

5. Roy E. e Patricia Disney – US$ 600 milhões

Após 52 anos de casamento, Roy e sua esposa pediram o divórcio em 2007, aos 77 e 72 anos de idade, respectivamente. O sobrinho de Walt Disney tinha um patrimônio estimado de US$ 1,3 bilhão na época. Anteriormente membro fixo da Forbes 400, Roy perdeu quase metade de sua fortuna na separação e também o lugar na lista. Em 2008, casou-se com a escritora e produtora Leslie DeMeuse. Ele morreu um ano depois. Patricia faleceu em 2012. Em homenagem aos nomes dos dois, uma fundação familiar apoia causas ambientais e econômicas, com ativos de US$ 122 milhões (dado de 2016).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).