Jovem empreendedora cria garrafa de água inteligente

Reprodução/Forbes
A jovem empreendedora só pensava em uma coisa durante seus primeiros passos: ter certeza de que desenvolveu um produto capaz de resolver um problema – e não de criar um

Não foi uma surpresa quando a empreendedora nata Nadya Nguyen, de 23 anos, criou a garrafa de água Hidrate Spark. O que realmente surpreende é o fato de sua empresa ter passado de uma para 20 pessoas em menos de quatro anos.

LEIA MAIS: Como uma estudante de 22 anos criou uma luxuosa marca de lingerie

A Spark 2.0, versão atual do produto de Nadya, é uma garrafa de água integrada a Bluetooth que determina a quantidade adequada do consumo da bebida e acende instantaneamente quando está na hora de consumir mais. A customização do aplicativo da Spark utiliza informações como altura, peso, localização e níveis de atividade física para recomendar a quantidade de água que deve ser ingerida, além de combinar esses dados com um sensor na garrafa para monitorar o quanto já foi bebido. Se estiver muito tarde, a garrafa acende e envia um lembrete para o celular (ou um sensor integrado) para lembrar ao usuário de hidratar-se. A ideia é encorajar escolhas melhores para uma saúde boa e estável, começando com maior consumo de água.

Nadya admite que não tinha muita experiência profissional quando pensou no conceito do que ela gosta de chamar de um pedaço de “exclusiva tecnologia formadora de hábitos”. Ela, que adota um estilo de vida que inclui alimentação saudável, teve a ideia em uma época em que estava tão exausta e desidratada que quase desmaiou no ônibus. “Eu sabia que havia algum problema… Como alguém tão preocupada com a saúde como eu conseguiu ficar desidratada?”, perguntou. Logo após o incidente, ela convenceu seus amigos e colegas da universidade a ir ao evento TechStars Weekend Startup, no fim de semana, no qual grupos apresentavam startups digitais e aplicativos para que o público votasse em seus projetos favoritos.

Nadya criou o protótipo a partir de uma garrafa de plástico e elásticos de cabelo, que ela descreve hoje como “estilo Frankenstein, muito feio e assustador”. Apesar da aparência bruta, ele gerou grande interesse e acabou entre os favoritos do público. A partir daí, ela ela conseguiu ser aceita em um grande e concorrido programa de incubadora de empresas. Nele, aprendeu mais sobre relacionamentos e recomendações para pesquisar habilidades e materiais e, assim, tornar o projeto real.

A jovem empreendedora só pensava em uma coisa durante seus primeiros passos: ter certeza de que desenvolveu um produto capaz de resolver um problema – e não de criar um. Para o design da garrafa e a interface do aplicativo, sua equipe desenvolveu os processos lentamente e com base nas experiências dos usuários, para que servissem de embasamento para a tomada de todas as decisões. “Uma coisa de cada vez” era seu mantra. Nadya gastou tempo entrevistando quase 500 mulheres para ter certeza de que era algo útil e desejado antes de iniciar a produção.

VEJA TAMBÉM: O que importa e o que não interessa no empreendedorismo social

Embora tivesse despertado interesse de produtores e possíveis sócios logo depois da apresentação na TechStars, Nadya percebeu que era precipitado falar de produção logo no primeiro ano e se comprometeu com um processo lento e muito pensado. Por fim, repassou o financiamento para investidores e optou por uma operação de crowndsourcing – processo para encontrar fornecedores terceirizados – pela Kickante, levantando mais de US$ 600 mil em um mês por meio da pré-venda de 17 mil unidades. Para ela, isso representou mais do que estabilidade financeira: provou que os consumidores desejavam tanto sua mercadoria que estavam dispostos a gastar dinheiro com ela.

A Spark 1.0 foi entregue em 2016 para atender à demanda e, logo depois, iniciou-se a produção da segunda versão, baseada no feedback dos compradores. Entre as mudanças estavam uma melhor conexão Bluetooth e luzes coloridas de LED. Nadya escutou dos clientes que, por mais que as luzes brancas fossem visíveis nos testes iniciais, elas eram difíceis de serem vistas na prática, como, por exemplo, debaixo do sol. Desde então, ela continuou prestando atenção nos clientes. Para que eles continuem satisfeitos com seus produtos, Nadya passa mais de três horas por semana contactando-os pessoalmente para obter um feedback direto.

E toda a sua paciência valeu a pena. Nadya gerou mais de US$ 10 milhões em vendas desde 2015. A Spark 2.0 começou a ser vendida recentemente em lojas populares como Target e Bed, Bath and Beyond, e a Hidrate continuará seus bem-sucedidos relacionamentos por meio da mídia social. Nadya se mostra um pouco monossilábica no que diz respeito aos próximos produtos, mas diz que o retorno dos clientes sempre gera ideias para uma futura expansão. “Nós estamos trabalhando em lançamentos e mais parcerias. Fiquem ligados!”

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).