Zuckerberg ganha US$ 1,7 bi após anúncio da IGTV

Zuckerberg ganha US$ 1,7 bi após anúncio da IGTV - GettyImages
Mark Zuckerberg é a quinta pessoa mais rica dos Estados Unidos, com patrimônio estimado pela FORBES em US$ 77 bilhões.

Mark Zuckerberg aumentou ontem (20) sua fortuna em US$ 1,7 bilhão, depois que as ações do Facebook subiram 2,3% nas negociações regulares, após o anúncio do novo recurso do Instagram: a IGTV. O aumento fez com que o fundador e CEO do Facebook fosse o maior vencedor entre os bilionários nesta quarta-feira.

VEJA TAMBÉM: Facebook lança novas garantias de privacidade

Desde seu IPO, em maio de 2012, as ações do Facebook já subiram mais de 428%, o que torna Zuckerberg a quinta pessoa mais rica dos Estados Unidos hoje, com fortuna estimada pela FORBES em US$ 77 bilhões. O fundador e CEO do Instagram, Kevin Systrom, 34 anos, também é um bilionário. Seu patrimônio, estimado pela FORBES, é de US$ 1,67 bilhão. Zuckerberg teve a visão de adquirir o Instagram em 2012 por quase US$ 1 bilhão, quando a rede social tinha apenas 30 milhões de perfis. O aplicativo de compartilhamento de foto e vídeo possui agora 1 bilhão de usuários ativos mensais, que incluem um robusto conjunto de celebridades e digital influencers.

O Facebook, que concorre com aplicativos populares, como o YouTube e o Snapchat, tem intensificado o foco em conteúdo de vídeo nos últimos anos. Em 2016, o Instagram lançou sua versão dos stories do Snapchat e passou a permitir que os usuários compartilhassem fotos e videoclipes curtos, com a possibilidade de adição de stickers, GIFs e texto. Só osse recurso, hoje, atrai mais usuários do que todo o Snapchat. No ano passado, o Facebook criou uma aba de vídeo em seu aplicativo principal, chamada “Watch”, preenchida com conteúdo pago, criado por estúdios e parceiros.

A aposta do Instagram no vídeo foi reafirmada ontem, quando Systrom anunciou o lançamento de vídeos longos, em um espaço chique de eventos em São Francisco, após uma apresentação de dança ao vivo de estrelas do aplicativo. Agora, os criadores de conteúdo podem gravar vídeos com até uma hora de duração para um novo aplicativo independente, chamado “IGTV”. Esses vídeos também podem ser exibidos em uma aba, no Instagram.

Wall Street reagiu positivamente às notícias, o que elevou as ações do Facebook em 2,3%, fechando a quarta-feira em US$ 202 por ação. Isso porque no momento em que a empresa enfrenta falta de espaço em seu feed de notícias original, a IGTV oferece novas possibilidades de propaganda, principal fonte de recursos, em dispositivos móveis. Embora o Instagram não venda publicidade na IGTV no momento, a plataforma provavelmente se tornará um novo e importante fluxo de receita ao longo do tempo e uma chance de vender anúncios a preços premium, semelhantes aos de TV.

E AINDA: Zuckerberg pede desculpas aos parlamentares europeus

Os negócios do Facebook continuam a prosperar apesar de uma série de controvérsias que balaçaram a rede social desde a eleição presidencial dos EUA, em 2016. No primeiro semestre deste ano, o Facebook confirmou que os dados dos usuários foram indevidamente obtidos pela empresa de pesquisa Cambridge Analytica antes das eleições. A empresa de Zuckerberg também tem proposto uma série de mudanças em produtos e políticas desde que surgiram evidências de interferência eleitoral na rede social por parte de contas apoiadas pela Rússia. Ainda assim, o Facebook reúne 2 bilhões de usuários em todo o mundo, e as vendas de anúncios no último trimestre aumentaram.

Aos 34 anos, Zuckerberg é a mais jovem das dez pessoas mais ricas do mundo. Ele apareceu pela primeira vez no ranking da Forbes dos 400 americanos mais ricos em setembro de 2008, com um patrimônio líquido de US$ 1,5 bilhão, quando o Facebook ainda era uma empresa privada. Em dezembro de 2015, Zuckerberg se comprometeu a doar 99% de suas ações do Facebook ao longo de sua vida para a organização beneficente Chan-Zuckerberg Initiative.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).