Por que Buffett doou US$ 3,4 bilhões à caridade

Por que Buffett doou US$ 3,4 bilhões à caridade - Foto reprodução Forbes
A doação de Warren Buffet em 2018 foi a maior feita pelo investidor.

Warren Buffett é um veterano quando o assunto é fazer fortuna e caridade. Na última segunda-feira (16), o megainvestidor anunciou a doação de US$ 3,4 bilhões à filantropia, o maior valor já doado pelo empresário.

VEJA TAMBÉM: Cannes sedia luxuoso jantar anual de caridade

A iniciativa faz parte das promessas feitas por Buffett em suas cartas de 2006, nas quais prometeu doar ações da Berkshire Hathaway para causas beneficentes que criam impacto significativo e bem social.

Para a contribuição deste ano, Buffett converteu 11.867 de suas ações Classe A da companhia em 17.800.500 ações Classe B. Destas, 17.696.780 foram doadas para cinco entidades: Fundação Bill & Melinda Gates, Fundação Susan Thompson Buffett, Fundação Sherwood, Fundação Howard G. Buffett e Fundação NoVo.

Com essa contribuição, o bilionário doou, até o momento, cerca de 43% das ações que possuía em 2006. O valor total doado pelo investidor é de, aproximadamente, US$ 31 bilhões.

A contribuição de Buffett faz parte de uma estratégia filantrópica mais ampla que inspirou bilionários em todo o mundo a doar suas fortunas para ajudar a criar uma mudança social positiva.

As 4 principais perguntas sobre a estratégia filantrópica de Warren Buffett

E AINDA: Bilionário do Uber promete doar metade da sua fortuna para caridade

A doação do empresário é parte de um compromisso financeiro contínuo que começou com o The Giving Pledge, iniciativa criada por ele e por Bill e Melinda Gates para ajudar a transformar o mundo por meio da filantropia. Conheça quatro detalhes sobre o programa:

1. Quantas ações da Berkshire Hathaway serão doadas por Buffett?

Buffett, que nunca vendeu parte das ações da Berkshire Hathaway, planeja doar todas para a filantropia 10 anos depois da liquidação de seu patrimônio, informou a companhia.

2. O que inspirou Buffett a fazer contribuições para fundações em vez de direcioná-las diretamente às causas que ele defende?

Como explicou em 2007, Buffett preferiu doar para as fundações dos membros da família e para Bill Gates por serem pessoas inteligentes e engajadas, nas quais ele confia e que estão fazendo um bom trabalho com seu próprio dinheiro.

3. O que é o Giving Pledge e quem mais está envolvido?

Criado por Bill e Melinda Gates e Warren Buffett, o The Giving Pledge é um “compromisso dos indivíduos e famílias mais ricas do mundo de dedicar a maior parte de sua riqueza à filantropia”.

LEIA MAIS: Tom Brady raspa a cabeça e arrecada US$ 7,5 milhões para caridade

Em 2018 existem 183 promessas de doação, de 22 países diferentes. Além de Buffett e de Bill e Melinda Gates, alguns outros donos de grandes fortunas já se comprometeram com a iniciativa: Michael Bloomberg (Bloomberg), Richard e Joan Branson (Virgin), Mark Zuckerberg e Priscilla Chan (Facebook), Ray e Barbara Dalio (Bridgewater), Paul Allen (Microsoft), Ted Turner (Turner Broadcasting, CNN), Nathan e Elizabeth Blecharczyk (AirBnb), Reed Hastings e Patty Quillin (Netflix), David Rubenstein (Carlyle), Pete Peterson (Blackstone), Steve e Jean Case (AOL), Arthur Blank (Home Depot), Sarah Blakely (Spanx), Robert Smith (Vista Equity Partners), Tom Steyer e Kat Taylor (Farallon Capital).

Cada patrocinador precisa ser bilionário e se comprometer a doar a maior parte de sua riqueza a causas filantrópicas ou organizações de caridade durante sua vida ou de acordo com sua vontade. Embora o compromisso seja moral, não é um contrato legal obrigatório.

4. Quais são os tipos de causas defendidas pelos apoiadores do The Giving Pledge?

As causas filantrópicas são abrangentes e incluem redução da pobreza, ajuda aos refugiados, assistência em desastres, saúde global, educação, empoderamento de mulheres e meninas, pesquisa médica, artes e cultura, reforma da justiça criminal e sustentabilidade ambiental, entre outras.

Mas é preciso ter cuidado com as fraudes cometidas em iniciativas benemerentes. Ao mesmo tempo em que há boas intenções, muitas vezes há quem tente se aproveitar. O Giving Pledge já enfrentou golpistas, assim como muitas outras organizações beneficentes legítimas e sem fins lucrativos.

VEJA TAMBÉM: Não nos envie presentes, doe para caridade, pedem príncipe Harry e Meghan

Veja, na galeria de fotos abaixo, 5 dicas para evitar golpes em ações de caridade e garantir que suas contribuições filantrópicas permaneçam em boas mãos:

  • 1. Não clique em links contidos em e-mails que pedem dinheiro. Em vez disso, visite o site diretamente para fazer uma contribuição.

  • 2. Tenha cuidado com solicitações de transferência de dinheiro para uma instituição de caridade.

  • 3. Entre em contato com a organização para verificar se o e-mail é legítimo antes de compartilhar informações pessoais.

  • 4. Não compartilhe informações financeiras se a instituição de caridade tiver entrado em contato sem a sua solicitação. Você pode sempre retornar a ligação para o número de telefone do site oficial.

  • 5. Não compartilhe informações pessoais e financeiras em formulários online enviados por e-mail sem terem sido solicitados por você.

1. Não clique em links contidos em e-mails que pedem dinheiro. Em vez disso, visite o site diretamente para fazer uma contribuição.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).