15 consequências inesperadas do GDPR

A União Europeia deu o primeiro passo na proteção dos dados e privacidade de seus cidadãos. Por meio da promulgação do Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR), as pessoas agora podem ser protegidas no ambiente online. Isso significa mudanças para as empresas que planejam alcançar consumidores na UE.

VEJA TAMBÉM: Nova lei promete proteção para dados pessoais no Brasil

Elas precisam começar a olhar para a maneira de lidar com os dados pessoais de seus clientes e elaborar um plano de ação para garantir a privacidade. Sem um forte entendimento do que o GDPR significa e como isso afeta seu negócio, você pode se deparar com uma situação inesperada no que diz respeito ao âmbito da União Europeia.

Acompanhe, na galeria de fotos abaixo, algumas das consequências mais inesperadas do novo regulamento GDPR levantadas pelo FORBES Technology Council:

  • 1. Restrição de privacidade e inovação

    O GDPR é a versão mais recente do bug do milênio – muita especulação, medo e pouca realidade. A imposição regional da tecnologia global é uma impossibilidade e restringirá – não melhorará – a privacidade, a liberdade e a inovação. Como resultado, teremos regiões de não-conformidade (GDPR Havens), enormes despesas e incertezas.
    Wayne Lonstein, da VFT Solutions

  • 2. Obstáculos para armazenamento de dados Blockchain

    O GDPR pode afetar as decisões e os conjuntos de dados armazenados e coletados em blockchains privados e públicos emergentes. Isso pode criar obstáculos para as empresas que desejam adotar a tecnologia de descentralização para armazenar quaisquer dados que possam se enquadrar no GDPR.
    Aaron Vick, da Cicayda

  • 3. Desgaste de Opt-In

    Uma das conseqüências mais inesperadas do GDPR é a onda de novas regulamentações em jurisdições fora da Europa, incluindo Califórnia, Nova York e talvez, em breve, na Ásia. Outro impacto não intencional é o desgaste da “caixa de seleção”, na qual o idioma do acordo com os termos é apresentado com tanta frequência em websites e aplicativos que os consumidores não leem os consentimentos e apenas assinalam, renunciando aos seus direitos de privacidade.
    Silvio Tavares, da Associação CardLinx

  • 4. Baixa qualidade do atendimento ao cliente

    Uma distorção ou consequência não intencional do subproduto do GDPR é a regulamentação excessiva que leva a um mau atendimento ao cliente. O pêndulo oscilou muito e será moderado pelo feedback dos usuários.
    Jeff Bell, da LegalShield

  • 5. Comprometimento dos pequenos negócios

    As empresas que estão mais bem preparadas para o GDPR são as grandes: Facebook, Google, Amazon – aquelas que têm dinheiro para investir em suas equipes de tecnologia e jurídica para o cumprimento da regulamentação. As pequenas e médias empresas, no entanto, podem estar menos preparadas, o que as torna mais vulneráveis ​​a possíveis multas e penalidades.
    Thomas Griffin, da OptinMonster

  • 6. A morte lenta dos serviços gratuitos

    Se um serviço é gratuito, quer dizer que seus dados são o verdadeiro produto. Todos gostam de usar o Facebook, YouTube e demais mídias sociais. Porém, grande parte falha ao perceber como estas plataformas operam. Se os regulamentos estrangularem os negócios, a alternativa é funcionar de forma paga. Basta olhar para a luta do YouTube com as assinaturas remuneradas.
    Daniel Hindi, da BuildFire

  • 7. Regulamentação semelhante nos Estados Unidos

    A conseqüência mais inesperada tem sido a multidão de discussões sobre uma regulamentação similar nos EUA. De fato, ao ler as entrelinhas do testemunho do Facebook para o Congresso, está claro que os líderes da tecnologia percebem que é preciso ter mais cuidado com dados delicados e que os usuários devem ter mais direitos. Este é o cenário de preparo da próxima regulamentação nos Estados Unidos.
    Michael Roytman, da Kenna Security

  • 8. A fotografia como parte do GDPR

    Inesperadamente, a fotografia no trabalho e na escola também faz parte do GDPR. Mesmo que você tenha solicitado autorização de funcionários, pais e alunos com antecedência, cada pessoa descrita terá agora o direito de solicitar a remoção da foto. As empresas precisam garantir que todas as cópias de informações pessoais possam ser acessadas a qualquer momento, com avaliação contínua e responsabilidade auditável em todos os sistemas.
    Michael Fimin, da Netwrix Corporation

  • 9. C-Suite assumindo a responsabilidade pela segurança de dados

    O GDPR marca a primeira vez que vários departamentos cruciais precisam estar em sincronia para alcançar um gerenciamento eficaz, especialmente à luz do espectro do Gartner Integrated Risk Management, que define três tipos de risco: estratégico, operacional e de TI. Historicamente, a tecnologia da informação tem sido responsável pela segurança de dados e proteção de rede, mas os requisitos da GDPR fazem disso um caso de nível C-suite. Este é um novo jogo que muitos não perceberam.
    Thomas Sehested, da GAN Integrity

  • 10. Acesso restrito aos cidadãos da União Europeia

    A maioria dos aplicativos nas lojas da Apple e do Android coleta algum tipo de informação pessoal, e a maioria desses desenvolvedores é pequena demais para gerenciar essas regulamentações. A consequência não intencional é a não disponibilidade desses aplicativos para os residentes europeus. É preciso estar por dentro do GDPR para impactar o alcance do produto na UE.
    Brent Chapman, da empresa de serviços hipotecários RoundPoint

  • 11. Capacidade reduzida de rastreio do cibercrime

    Uma consequência inesperada do regulamento GDPR envolve a capacidade reduzida de rastrear e detectar cibercriminosos. Detalhes de registro de domínio da web, como nome, endereço e contatos de proprietários de domínios, têm sido cruciais para vincular sites maliciosos a hackers. Infelizmente, esse resultado nunca foi previsto, uma vez que o regulamento se concentrava em proteger os dados do consumidor sem voltar-se para como os usuários e atividades maliciosos seriam abordados.
    Rohan Pinto, do 1Kosmos BlockID

  • 12. Maior envolvimento do cliente

    Empresas com técnicas de marketing não sinceras tiveram problemas com o GDPR. No entanto, o efeito geral sobre a indústria é positivo, pois as empresas agora são forçadas a ter interações significativas com seus clientes. Consumidores realmente engajados são muito mais valiosos do que os desinteressados. Se alguém aceitar seus serviços, ele terão mais interações e seus esforços de marketing se tornarão mais eficazes.
    Scott Arpajian, do Softonic.com

  • 13. Legislação do país em desacordo com o GDPR

    Uma consequência que observamos é que a legislação do país pode, às vezes, contradizer os requisitos do GDPR. Em soluções transacionais, por exemplo, a lei em alguns países exige rastreabilidade para ações concluídas por usuários únicos. No entanto, o GDPR instrui as empresas a apagarem todos os dados referentes a ações individuais, o que significa que essa rastreabilidade individual é perdida e a capacidade de auditar atividades de fluxo de trabalho corporativo se torna impossível.
    Claus Jepsen, da Unit4

  • 14. Sites norte-americanos negam acesso a visitantes da União Europeia

    Quando o GDPR entrou em vigor, um dos resultados imediatos foi o aumento do número de sites dos EUA que negavam ou restringiam o acesso a visitantes da UE. Mesmo com dois anos de flexibilidade para que as empresas se preparassem para a regulamentação, muitas não fizeram isso. É compreensível que algumas companhias possam escolher o caminho aparentemente mais fácil, mas essa abordagem não é sustentável, pelo menos não quanto a tecnologia ou vendas.
    Timo Rein, do PipeDrive.com

  • 15. Valor agregado aos dados primários

    Como a conformidade com o GDPR tomou conta não apenas de toda a UE, mas de todo o mundo, o valor dos dados primários cresceu exponencialmente, enquanto os dados de terceiros se tornam uma commodity. Os dados primários não estão apenas sendo aproveitados para gerar experiências personalizadas, mas também é possível ver consumidores esperarem por interações de marca hiper-personalizadas em trocas das informações detalhadas fornecidas por formulários e cadastros.
    Nitay Joffe, da ActionIQ

1. Restrição de privacidade e inovação

O GDPR é a versão mais recente do bug do milênio – muita especulação, medo e pouca realidade. A imposição regional da tecnologia global é uma impossibilidade e restringirá – não melhorará – a privacidade, a liberdade e a inovação. Como resultado, teremos regiões de não-conformidade (GDPR Havens), enormes despesas e incertezas.
Wayne Lonstein, da VFT Solutions

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).