Como uma adoção estimulou um negócio global de capacitação feminina

Como uma adoção estimulou um negócio global de capacitação feminina - Foto reprodução FORBES
O negócio global de US$ 17 milhões contribui para a erradicação da pobreza no mundo.

Jessica Honegger precisava arrecadar dinheiro para adotar seu filho de Ruanda. Ela e o marido, Joe, moravam no Texas, já pais de dois filhos, mas a paixão de ambos pelo trabalho humanitário os levou para o exterior, onde visitaram organizações sem fins lucrativos e aprenderam sobre soluções sustentáveis ​​para amenizar a pobreza.

VEJA TAMBÉM: Como Bill Gates pode mudar a luta contra o Alzheimer
Em uma das idas ao exterior, Jessica segurou em seus braços uma criança órfã por consequência do surto de HIV na região. Era a primeira viagem após se tornar mãe, e foi quando ela e Joe decidiram fazer uma adoção internacional.

Depois de visitar amigos norte-americanos residentes em Uganda, os Honeggers foram apresentados ao casal Jalia e Daniel Matovu, que fazia produtos artesanais, como bolsas, cachecóis e joias. A venda desses itens era a fonte de renda do casal, que não dispunha de um mercado estável.

Foi então que Jessica pensou em uma solução para os dois problemas. Ela teria um fundraiser para apoiar a adoção de seu filho e ao mesmo tempo geraria receita para Jalia e Daniel. O que ela não sabia na época é que as pessoas se apaixonariam pelas mercadorias e a impulsionariam a lançar um negócio global.

Em seu livro “Imperfect Courage” (Coragem Imperfeita, em tradução livre), Jessica conta sua trajetória como uma improvável empreendedora e como criou a empresa e a transformou na marca de moda de comércio socialmente engajado de maior sucesso do mundo.

E AINDA: Por que Buffett doou US$ 3,4 bilhões à caridade

Em essência, para a grife Noonday o estilo pode mudar o mundo. A empresa diz acreditar que investir no empoderamento econômico feminino afeta toda a comunidade. Por essa razão, a marca tem parceria com a Artisan Businesses para criar oportunidades para mulheres vulneráveis, capacitando-as para obter uma renda sustentável e se tornarem líderes na região onde residem.

No site da Noonday, há uma seção sobre impactos positivos, que desmembra os números: 31 parceiros globais da Artisan Business; 4.500 Women Artisans (mulheres artesãs) empregadas, com mais de 20.000 familiares atingidos indiretamente e de forma positiva. E, embora o alcance global seja dividido pelos países onde os artesãos residem, há quase 2.000 embaixadores que vendem os produtos da grife nos EUA.

Jessica criou com sucesso uma irmandade global de mulheres que trabalham juntas para capacitar economicamente umas às outras. O modelo de negócios permitiu que a empresa crescesse rapidamente, ganhasse visibilidade e virasse uma das empresas de crescimento mais rápido dos EUA em 2015.

Veja na galeria de fotos abaixo, 4 das lições mais difíceis ensinadas no livro da empresária e filantropa norte-americana “Imperfect Courage”:

  • 1. Deixe a perfeição para trás e abrace o risco

    Em uma autobiografia que a deixa bastante vulnerável por abrir suas inseguranças físicas e reconhecer nela mesma uma falta de perspicácia nos negócios, logo no início, Jessica lembra os leitores de superarem os pessimistas presentes dentro de nós mesmos. Se realmente existe uma paixão pelo ofício, tudo se resolverá.

  • 2. Levante-se e celebre o sucesso do próximo

    Na Noonday, Jessica parece ter feito o que muitas empresas buscam. Em um mundo onde, segundo ela, “as pessoas se comparam em vez de colaborarem, julgam em vez de se solidarizarem, ou ficam e esperam em vez de lutarem umas pelas outras”, é fundamental criar uma cultura onde as mulheres se apoiem incondicionalmente entre si. “Se você precisar de ajuda específica, acredite, elas irão chegar até você”, diz Jessica. Na Noonday, o mantra é: “O sucesso dela não diminui o meu”. Repita essas palavras e tenha convicção disso.

  • 3. Conecte-se à comunidade, tanto em casa quanto no mundo

    “Se as minhas experiências com pessoas que vivem na pobreza me ensinaram alguma coisa”, diz Jessica, “é que no final do dia, todos queremos que as mesmas coisas sejam vistas, aceitas, conhecidas e amadas”.

    É muito fácil ficar sem reação ou sobrecarregado por tudo o que há de errado no mundo. Mas, se você está lendo esta reportagem, é muito provável que esteja em posição de ajudar o próximo. Seja qual for a causa que o sensibilize, abrace-a e a olhe nos olhos, porque é somente quando as pessoas realmente veem as coisas e permitem se conectar a elas que se tornam dispostas a mudar o mundo em que vivem.

  • 4. Provoque um impacto significativo no mundo ao seu redor

    Na Etiópia, a Noonday tem parceria com a Artisan Businesses e busca trazer esperança e trabalho digno para mulheres em situações vulneráveis. Muitas das que fabricam peças de joalheria são HIV+ ou tentam uma nova vida depois de trabalharem como prostitutas nas ruas de Addis Ababa. Mas, por meio de um ofício justo e significativo, superam o estigma, deixam a pobreza e redescobrem o seu valor.

    Pense em quem fez as mercadorias que você compra. Escolha com responsabilidade e apoie empresas que realmente façam uma diferença positiva na vida dos outros.

1. Deixe a perfeição para trás e abrace o risco

Em uma autobiografia que a deixa bastante vulnerável por abrir suas inseguranças físicas e reconhecer nela mesma uma falta de perspicácia nos negócios, logo no início, Jessica lembra os leitores de superarem os pessimistas presentes dentro de nós mesmos. Se realmente existe uma paixão pelo ofício, tudo se resolverá.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).