Lobo de Wall Street: “A verdade é que nós estamos sempre nos vendendo”

Getty Images
Belfort afirma que, em seu auge, durante a década de 1990, chegou a arrecadar US$ 50 milhões ao ano

Jordan Belfort, que se tornou mundialmente conhecido como “Lobo de Wall Street”, viveu uma vida de altos e baixos. Após ver seu primeiro negócio falir, fundou, no final da década de 1980, a corretora Stratton Oakmont, que, segundo ele, tornou-se “uma das mais dinâmicas e bem sucedidas organizações de vendas da história de Wall Street”.

VEJA TAMBÉM: Produtora de “O Lobo de Wall Street” pagará US$ 60 milhões para encerrar processo

Belfort afirma que, em seu auge, durante a década de 1990, chegou a arrecadar US$ 50 milhões ao ano por meio da negociação de penny stocks (ações de pequenas empresas e com baixo valor de mercado). No entanto, nas palavras do próprio Lobo, ele “sucumbiu a algumas armadilhas do lifestyle de Wall Street” e começou a adotar práticas ilegais, que envolviam IPOs de pequenas empresas, além de fazer uso de drogas. Como resultado, foi indiciado pelo governo federal aos 36 anos, cumpriu 22 meses de prisão e passou um mês na reabilitação.

Hoje, Belfort dá palestras e escreve livros. O primeiro, “O Lobo de Wall Street”, deu origem ao filme dirigido por Martin Scorsese, no qual o corretor é interpretado por Leonardo DiCaprio e que lhe rendeu fama mundial. Além desse, também escreveu “A Caçada ao Lobo de Wall Street” e, mais recentemente, “Os Segredos do Lobo”, lançado no Brasil em abril pela editora Planeta.

Em seu terceiro livro, Belfort explica seu método infalível de vendas, o Sistema Linha Reta. Segundo a editora, a obra ensina a influenciar pessoas, superar obstáculos e a vender mais, tanto na vida profissional quanto pessoal. Conhecido por “vender qualquer coisa a qualquer pessoa”, Belfort defende que vender é uma habilidade essencial para todos. “Vender é tudo na vida. Mesmo que a pessoa não trabalhe com isso, ela precisa se tornar ao menos razoavelmente eficiente em vendas e persuasão. Sem essa habilidade fundamental, é muito difícil obter sucesso em qualquer nível ou ter uma vida com poder”, escreve.

O livro pretende instruir seus leitores para decifrar o código de vendas, aumentar o índice de fechamentos, desenvolver fórmulas de negociação, fazer boas apresentações e reter clientes.

Leia, a seguir, a entrevista do “Lobo de Wall Street” à FORBES Brasil:

FORBES Brasil: Por que o senhor ficou conhecido como “o Lobo de Wall Street”?

Jordan Belfort:O apelido veio de um programa de televisão antigo, norte-americano, chamado “Ilha dos Birutas”. Há um personagem lá que é chamado de “Lobo de Wall Street”. Quando eu escrevi meu livro, nomeei-o em homenagem a um dos muitos nomes que eu recebi em meu auge. Depois que eu escrevi o livro, e Martin Scorsese dirigiu o filme, o apelido obviamente pegou.

LEIA: Como Hollywood explica Wall Street

FB: Como o senhor desenvolveu o seu método de vendas?

JB: Ao tentar todos os outros métodos existentes e perceber que eles simplesmente não funcionavam. Precisava de uma maneira de treinar meus funcionários para que eles fossem capazes de vender, se não no nível mais alto possível, ao menos de um jeito que pudesse criar resultados reais. Certa noite, cheio de pura frustração e, de novo, após estudar e pesquisar todas as outras técnicas de vendas e descobrir que elas não bastavam, desenvolvi o Sistema Linha Reta.

FB: Por que saber vender é importante para aqueles que não estão diretamente no negócio de vendas?

JB: A verdade é que nós estamos sempre vendendo. Seja nos automotivando para ir à academia, quando nos candidatamos a vagas de emprego, convencendo nossos filhos a seguirem as regras ou vendendo uma ideia a alguém que você quer que invista em sua visão… a lista continua. A verdade é que as pessoas de mais sucesso em todas as áreas da vida são aquelas que dominaram a arte da venda e persuasão.

FB: Por que o senhor decidiu escrever um livro?

JB: Quando estava na prisão, meu colega de cela Tommy Chong e eu contávamos histórias. Ele escrevia um livro na época e, após ouvir as minhas histórias, disse que eu definitivamente precisava escrever um também. Então, sem ser um escritor nato, comecei o esgotante processo de me ensinar a escrever. Isso se tornou catártico e me ajudou a entender meu passado. Além disso, por causa da minha personalidade, se eu iria escrever um livro, queria que ele fosse massivamente bem-sucedido. Sem saber o que faria quando saísse da prisão, escrever o livro me deu um propósito e permitiu que eu previsse na minha mente um mundo em que minha escrita me traria dinheiro e muito sucesso.

FB: O senhor poderia dar um exemplo de alguma venda que parecia impossível mas que conseguiu fechar?

JB: Conquistar minha noiva. Acredite: a Linha Reta funciona em praticamente todas as situações.

FB: O senhor poderia dar algumas dicas a alguém que queira se tornar um bom vendedor?

É importante estar disposto a investir em seu futuro. Advogados vão à universidade, carpinteiros vão à escola profissionalizante. Se você quiser ser um ótimo vendedor, ou até mesmo um bom vendedor, tem de estar disposto a aprender as ferramentas para se tornar um grande influenciador.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).