Vicky Hamilton: como fazer história com o que você ama

Reprodução/Forbes
Nada impediria Vicky de perseguir e atingir seu objetivo na indústria da música

Quando Tom Petty cantou sobre uma garota de Indiana, ele pode não ter se referido à legendária empresária de música Vicky Hamilton. No entanto, isso não a impediu de perseguir o ônibus de turnê de Petty, no final dos anos 1970, para uma entrevista improvisada e alguns bons conselhos. Na verdade, nada impediria Vicky de perseguir e atingir seu objetivo na indústria da música, ainda dominada pelos homens.

LEIA MAIS: De Spice Girl à empreendedora de moda girl power

Aclamada como uma das mais bem-sucedidas executivas de música, Vicky é a prova de que nós vivemos nossa vocação. Eu estava curiosa sobre como uma mulher de Fort Wayne, Indiana, acabou em Los Angeles, na condução das carreiras de astros do rock como Guns N ‘Roses, Mötley Crüe e Poison. Vicky se sentou comigo para contar como sua jornada passou de gerenciar bandas de rock em Ohio para produzir um álbum premiado pelo Grammy, para a primeira-dama da música country: June Carter-Cash.

“Descubra sua paixão e a persiga.” Vicky começou em uma loja de discos e caiu quase que acidentalmente no gerenciamento de bandas, ao ajudar a administrar o grupo do seu namorado, antes de expandir sua base de clientes. “Passei a cuidar de algumas bandas locais”, lembra. “Uma de Toledo, Ohio, chamada Ebenezer, e outra chamada Destin, de Fort Wayne, e foi basicamente uma tentativa por erro. Eu aprendi ao fazer.”

Vicky diz que sabia que não havia muitas oportunidades para os empresários de bandas em Indiana. Enquanto se interessava por jornalismo, ela enfrentou seu primeiro obstáculo. “Ninguém na gravadora me daria uma entrevista. Então, eu praticamente stalkeei [Tom Petty] e seu ônibus de turnê e o persegui em South Bend, Indiana.”

Petty, então, graciosamente concordou com a entrevista e deu conselhos que impulsionariam Vicky a seguir adiante. “Ele me disse: ‘Você sabe, você parece uma garota da Califórnia. Você deveria se mudar para a Califórnia’. E foi tudo o que precisou. Você ouve isso de alguém que admira e soa como: ‘OK, eu vou fazer isso!’.” Encontrar coragem para perseguir sua paixão às vezes só acontece depois que outra pessoa reconhece e aponta seu potencial. Quando você não tem autoconfiança, um leve empurrão pode ser a faísca de que precisa. Para realmente perceber o poder em jogo aqui, verbalize quando identificar esse potencial em outra pessoa.

“Aprenda como abraçar e criar mudanças”. Vicky diz que recebeu outro cutucão para sair de sua zona de conforto durante uma reunião profética com June Carter, enquanto trabalhava para a Lookout Management. Uma de suas bandas abria os shows da lenda do country Johnny Cash, no House of Blues, e Petty e o produtor musical Rick Rubin estavam presentes. “Eu dizia o quanto adorei a performance de June com Johnny Cash, e Rubin disse: ‘Você deve fazer um disco com ela’”, lembra Vicky. “E eu fiquei tipo: ‘Sim, eu não sei nada sobre country música, mas obrigada’.”

Reprodução/Forbes
Vicky Hamilton e June Carter-Cash

VEJA TAMBÉM: Guitarra que George Harrison usou no Cavern Club será leiloada

Remover as limitações autoimpostas é essencial ao abraçar a mudança, e o potencial para a grandeza esperava Vicky se aventurar fora da caixa. Na manhã seguinte, ela tinha uma mensagem esperando por ela de June Carter, que repetia o sentimento que Rubin havia expressado na noite anterior. As duas mulheres se encontraram e começaram o processo de trabalhar juntas para criar o álbum de June. Vicky imediatamente começou a vender o projeto para gravadoras, incluindo a Lookout Management/Vapor Records, e ficou chocada ao encontrar respostas bastante negativas.

“Eu o vendi em Hollywood, Nova York e Nashville, o que foi realmente surpreendente porque June e Johnny Cash moravam em Nashville, e eu não conseguia acreditar que ninguém quisesse trabalhar com a primeira-dama da música country.”

Sempre houve uma grande falta de representatividade das mulheres na indústria da música. Em 2015, durante uma entrevista à Country Aircheck, um consultor comparou mulheres na música a “tomates na salada”, dizendo que, se estações de rádio quisessem aumentar a audiência, não deveriam tocar duas artistas consecutivas. É um clube de rapazes que se torna cada vez mais difícil para as mulheres, apesar da mudança na visão sobre diversidade e inclusão de gênero.

“Quando confrontado com uma objeção, torne-se um defensor da mudança, ao criar suas próprias oportunidades”, ensina Vicky. Ela decidiu que, se ninguém quisesse ajudar a levar Carter-Cash para o estúdio, ela abriria uma gravadora própria. Assim, a Small Hairy Dog Records nasceu. Sem experiência prévia, ela fez o que havia feito no passado: aprendeu na prática. Escreveu um plano de negócios à caneta, convenceu outra gravadora a se juntar a ela no projeto e começou a tarefa de escolher músicas para o álbum a partir de fitas gravadas por June, enquanto John Carter, filho da cantora, enviava músicas que a mãe havia escrito ao longo dos anos.

“Eu contratei produtores, e J.J. Blair e John Carter coproduziram o disco”, diz Hamilton. “J.J. tinha um estúdio aqui em Los Angeles e levamos todos os seus equipamentos para esta pequena cabana em Nashville, do outro lado da rua onde ficava a casa dos Cash. Todos os dias, June dizia: ‘Queremos fazer um pouco de história’ e, por incrível que pareça, estamos fazendo”.

Um ano e meio após a conclusão, “Press On”, o álbum que ninguém queria fazer. foi premiado com o Grammy. Para Vicky, foi um testemunho de nunca aceitar um ‘não’ como resposta. “Quando eu tenho algo em mente que quero fazer, não deixo pedra sobre pedra para realizar, e meio que vou pela filosofia de você pode ter um milhão de ‘nãos’, mas só precisa de um ‘sim’. Então, continuo indo até conseguir o ‘sim’.”

E AINDA: Qual será o legado de Kylie Jenner?

Quando as mulheres se unem, coisas incríveis acontecem. Vicky se tornouuma voz para June e, por sua vez, para as mulheres de uma indústria que clamava por mudanças. Até mesmo Johnny Cash compartilhou seu pesar com a executiva por não defender June tanto quanto deveria. “Ele disse: ‘Você sabe, todo mundo diz que eles querem levar crédito por isso. Mas sei que você fez isso’. Foi um momento grandioso, porque tudo que ele queria era que June fosse mais conhecida pelo que havia realizado. As pessoas nem percebiam que ela havia escrito ‘Ring Of Fire’, que foi um dos seus maiores sucessos.”

Histórias como a de Vicky destacam o viés consciente e inconsciente que as mulheres enfrentam até hoje diariamente. June é uma realeza da música country, então, por que foi necessário uma outra mulher se unir em torno de seu projeto para que isso se concretizasse? Este é um excelente exemplo de como as mulheres que apóiam as outras podem mudar a história, assim como ocorreu na década de 1920, quando as mulheres passaram a ter o direito de votar depois que grupos femininos se uniram para pedir mudanças.

Vicky teve um sucesso incrível e continuou estabelecendo novas metas e explorando novos projetos. Ela publicou um livro de memórias, contando histórias nunca antes ouvidas do tempo em que passou à frente de bandas de rock.

Seu conselho para mulheres com altas aspirações? “Ouçam sua própria voz. As pessoas podem dizer quando você não acredita em si mesmo. Vá em frente e dê a si mesmo permissão para alcançar novas alturas e sair da sua zona de conforto. Se você precisa de uma cutucada, lembre-se: as mulheres podem fazer história mais rapidamente e alcançar maior igualdade se unindo, em apoio mútuo.”

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).