Coca-Cola estuda bebida com infusão de maconha

iStock
A maior empresa de refrigerantes do mundo estaria em negociações com a canadense Aurora Cannabis para desenvolver os produtos

A Coca-Cola poderá em breve adicionar cannabis à sua lista de ingredientes para certos produtos. Segundo a BNN Bloomberg, a companhia global com sede em Atlanta diz que está de olho na indústria legal de maconha e que considera algumas opções para produzir bebidas infundidas com canabidiol, ou CBD, uma substância não intoxicante encontrada na cannabis, à qual se credita inúmeras propriedades terapêuticas.

LEIA MAIS: Coca-Cola vai aumentar investimentos na Argentina

A maior empresa de refrigerantes do mundo estaria em negociações com a canadense Aurora Cannabis para desenvolver os produtos, o que poderia aumentar a lista de alternativas da companhia ao seu refrigerante de cola.

O porta-voz da Coca-Cola, Kent Landers, afirmou em comunicado: “Observamos de perto o crescimento da CBD não-psicoativa como ingrediente em bebidas funcionais de bem-estar em todo o mundo… O espaço tem evoluído rapidamente. Mas nenhuma decisão foi tomada neste momento.”

Especialistas em cannabis apontam que a CBD não é de fato um componente canabinóide não-psicoativo, dada sua capacidade de ajudar muitos usuários a encontrar alívio da ansiedade ou depressão, e que seria melhor descrito como “não-intoxicante”.

A Coca-Cola é mais uma das muitas fabricantes de bebidas a estudar a entrada no mercado da cannabis nos últimos meses. A Constellation Brands Inc. anunciou no meio do ano que aumentará sua participação na Canopy Growth Corp., produtora canadense de cannabis, em US$ 3,8 bilhões, enquanto a Molson Coors Brewing, a Heineken NV e a Diageo PLC, que fazem a cerveja Guinness, também estão em negociações com empresas de cannabis sobre potenciais produtos.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).