Lego não terá mais peças de plástico até 2030

iStock
A empresa dinamarquesa está pronta para lançar sua nova linha ecologicamente correta

A Lego anunciou planos para interromper a produção de seus tradicionais blocos de plástico até 2030. O brinquedo passará a ser feito com materiais à base de plantas, na tentativa de reduzir o desperdício de plástico.

LEIA MAIS: Disney anuncia que eliminará canudos de plástico até 2019

A empresa dinamarquesa está pronta para lançar sua nova linha ecologicamente correta, composta de 25 formas de peças que se assemelham a produtos inspirados na natureza.

Eles serão feitos de polietileno, que tem como base a cana-de-açúcar, e devem ser lançados ainda este ano. No entanto, a fabricante de brinquedos admite que este material não é forte o suficiente para fazer peças regulares.

A Lego está investindo 1 bilhão de coroas dinamarquesas (US$ 155,9 milhões) e contratando cerca de 100 pessoas para garantir que sua promessa seja cumprida. “Os recursos devem ser adquiridos e usados ​​de maneira responsável, para que ainda beneficiem as gerações futuras. Estamos constantemente em busca de soluções mais sustentáveis ​​para nossas matérias-primas e embalagens”, disse.

Tim Brooks, vice-presidente de responsabilidade ambiental da Lego, disse: “Queremos causar um impacto positivo no mundo ao nosso redor e estamos trabalhando muito para criar ótimos produtos para crianças, usando materiais sustentáveis. Este é um bom primeiro passo em nosso compromisso ambicioso de fabricar todas as peças de Lego usando material sustentável”.

A Lego também se comprometeu a reduzir as emissões de carbono, prometendo 100% de energia renovável até 2020 e está buscando uma cadeia de fornecimento neutra em carbono. A companhia está promovendo, ainda, a reciclagem, incentivando as famílias a reutilizar ou doar peças de Lego indesejadas.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).