15 dicas para lidar com a mudança de carreira depois dos 40

Reprodução/Forbes
Quando Laura anunciou no início do ano que deixaria o posto de editora-executiva da “Travel + Leisure” e da “Departures”, aos 40 anos, para se dedicar à carreira de professora de ioga e meditação, tudo fez sentido

Trabalhei com Laura Teusink por muitos anos, quando fui vice-editora da “Travel + Leisure”, e nunca vou me esquecer de ler suas regras para ser a editora-chefe da marca. Entre outros deveres, o papel de um editor-chefe de uma revista é garantir que todos os prazos sejam cumpridos. E quando você está em uma revista de viagens, com uma equipe de editores constantemente em movimento, esse papel é ainda mais vital.

LEIA MAIS: 4 lições em empreendedorismo de Sara Blakely

Laura foi uma Radio City Rockette e fala sobre como usa as habilidades de dançarina, uma combinação de graça e disciplina, no papel de editora-chefe. De fato, foi essa fórmula mágica que a ajudou a se tornar tão bem-sucedida em sua posição.

“Alguém poderia pensar que trabalhar como dançarina e trabalhar como editora é o oposto”, diz Laura. “No entanto, aprendi que muitas das habilidades necessárias para ter uma carreira de dançarina bem-sucedida, como boa ética de trabalho, prontidão, disciplina, capacidade de trabalhar em equipe, graça sob pressão e excelentes habilidades de comunicação, eram muito apreciadas em um ambiente de escritório.”

Quando Laura anunciou no início do ano que deixaria o posto de editora-executiva da “Travel + Leisure” e da “Departures”, aos 40 anos, para se dedicar à carreira de professora de ioga e meditação, tudo fez sentido.

“Você pode pensar que não há nenhuma vantagem em ser um editor-executivo para ensinar ioga e meditação”, diz Laura. “Mas tem sido incrível descobrir que as habilidades que desenvolvi no cargo, gerenciamento de tempo, organização, acompanhamento financeiro, comunicação concisa, follow-up, malabarismo com várias linhas do tempo, resolução de problemas e construção de relacionamentos, são um grande apoio para mim, conforme construo minha prática.”

VEJA TAMBÉM: 3 lições de um discurso memorável sobre basquete

Agora, Laura expande seus negócios, com aulas de ioga e meditação para grupos particulares e semiprivados, por toda a área da cidade de Nova York. Ela leciona em empresas (Meredith, Condé Nast, Kaufman Astoria Studios/Exploring the Arts e Doris Duke Charitable Foundation), em academias privadas residenciais, em condomínios de luxo, em um centro sênior, e ocasionalmente na 14th Street Y.

Veja, na galeria de fotos abaixo, 15 dicas de Laura Teusink para lidar com uma grande mudança de carreira aos 40 anos:

  • 1. Pense em como suas habilidades e interesses podem se traduzir em uma nova carreira
    “Depois de uma carreira de sucesso como dançarina, incluindo dançar como Radio City Rockette por seis temporadas, decidi que queria trabalhar na publicação de revistas. Eu amava a palavra escrita: escrever em meu diário e sobre viagens, quando estava em turnê, era um hobby. Como eu sabia muito sobre dança e nada sobre publicações, consegui a posição perfeita como assistente-editorial na revista ‘Dance Spirit’ e, eventualmente, trabalhei até me tornar editora-chefe, antes de seguir para a ‘National Geographic Adventure’ e depois para a ‘Travel + Leisure’ e a ‘Departures’.”

  • 2. Trabalhe para entender o que você quer fazer a seguir
    “Depois de 18 anos em publicações, eu sabia que queria fazer outra grande mudança de carreira, mas não tinha certeza do que queria fazer a seguir. Meu namorado viu que eu estava infeliz e disse: ‘Tome algum tempo para entender isso’. Fiz uma busca profunda. Eu me sentava, escrevia, sonhava e fazia listas. Um dia, senti-me inspirada a vestir um sombrero de uma velha fantasia de Halloween. Senti que isso ajudaria a me concentrar. Comecei a chamar este exercício de ‘As Sessões Sombrero’. Por fim, decidi que queria explorar um caminho que eu tinha escolhido não fazer anteriormente: ensinar ioga. Eu amo o corpo, amo a interação humana e foi muito importante fazer algo que contribuísse positivamente para o mundo.”

  • 3. Sintonize seu coração, não apenas sua mente
    “Há muitas dúvidas quando você pensa em mudar de carreira: ‘O que eu deveria estar fazendo?’, ‘O que as outras pessoas gostariam de me ver fazer?’, ‘O que geraria muito dinheiro?’, ‘O que ficaria bem no meu currículo?’. Certifique-se de que você também passe tempo percebendo que tipo de atividades realmente abrem e iluminam seu coração e pelo que você se apaixona facilmente.”

  • 4. Encontre suporte, e escolha com sabedoria
    “Uma mudança de carreira durante a meia-idade não é um espetáculo ou uma perseguição solitária. Você precisa de energia e apoio moral de seus entes queridos. Se eles não o apoiarem, encontre pessoas que o ajudem. É importante encontrar pessoas em quem você realmente confie e que valorizem sua mentalidade e opinião.”

  • 5. Retome contatos na sua rede
    Procure pessoas com as quais você já esteja conectado, mas não tenha medo de falar com alguém com quem você não tem contato há muito tempo, especialmente, se achar que essa pessoa possa ter informações valiosas ou estar disposta a ajudar.

  • 6. Procure por um grupo de mentores profissional
    “Você se beneficiará muito se puder encontrar um mentor ou um grupo de mentores que funcione em seu novo campo. Por exemplo, atualmente, estou em um grupo para pessoas que estão construindo aulas particulares de ioga, criado por Emily Sussell, que construiu um negócio de sucesso e agora é coach de professores da prática. Seu slogan é: ‘Eu ensino CEOs a serem iogues e iogues a serem CEOs’. Eu não achava que precisava desse tipo de apoio e fiquei 100% surpresa com o quanto me beneficiei disso.”

  • 7. Inicie um projeto à parte e encontre outras maneiras de obter as ferramentas de seu novo ofício
    “Não saia do que está fazendo antes de saber em que direção você está indo. Reserve tempo na sua situação atual para desenvolver a próxima. Como eu trabalhava mais de 40 horas por semana nas revistas, e porque adoro uma imersão completa e longa em uma área de estudo, inscrevi-me em um curso de certificação para professores de ioga, de 200 horas, com Sondra Loring, do Sadhana Yoga and Meditation Center, em Hudson, em Nova York. O curso levou nove meses para ser concluído. Foi muito empoderador estar fazendo algo que fosse fácil de me entusiasmar. Eu também escolhi me inscrever em um curso de treinamento de meditação de 200 horas. Estava meditando há cerca de oito anos e fui levada a compartilhar a prática [que foi tão importante e transformadora para mim] com os outros.”

  • 8. Considere oferecer seus serviços gratuitamente
    “Oferecer uma sessão gratuita de introdução a um serviço ajuda as pessoas a experimentar seu produto. Mesmo que eles acabem não comprando, você terá novos embaixadores e, muitas vezes, uma avaliação gratuita será convertida em um cliente. É contraintuitivo pensar que você pode precisar fazer algo de graça quando quiser ganhar dinheiro, mas isso é útil.”

  • 9. Mude sua mentalidade
    “Em vez de dizer ‘Eu sou uma professora de ioga’, eu digo ‘Estou construindo um negócio de ensino de ioga’. Assim que mudei para essa mentalidade e comecei a conversar com as pessoas sobre o que estava fazendo, dessa maneira, isso me ajudou a relaxar [porque construir um negócio leva tempo] e priorizar [quais são os meus objetivos de negócio e quais passos eu preciso dar para alcançá-los?].”

  • 10. Faça um plano de negócios
    “É importante ter um plano de negócios, mesmo que sua nova carreira não pareça comercial [como ensinar ioga]. Você não pode esperar para ver o que acontece. Sussell aconselha que, se você tiver um objetivo vago, terá resultados vagos. Se você tiver metas específicas, receberá resultados específicos. Você precisa definir metas mensais ou trimestrais e fazer o check-in. Se não estiver atingindo suas metas, o que precisa alterar sobre o que está fazendo para atendê-las? Além disso, gravar tudo o que você faz o ajuda a olhar para trás e ver o quanto cresceu. Eu acompanho tudo no Excel, então, tenho uma tonelada de dados sobre o progresso do meu negócio.”

  • 11. Fale sobre isso
    “Falar sobre sua nova busca com todos [mesmo estranhos] é o marketing boca-a-boca original. Faça questão de falar sobre o seu negócio para pelo menos uma pessoa todos os dias.”

  • 12. Saia da sua zona de conforto
    “Se você tem uma função há muito tempo, é provável que consiga fazê-la com os olhos fechados. Quando você começa algo novo, tudo leva muito mais energia, até mesmo as menores coisas. Observe ao que você resiste. Por exemplo, recentemente, eu me esforcei para realizar uma live no Facebook, algo que eu não queria fazer. No final, foi muito benéfico porque tive um impulso de confiança por ter saído da minha zona de conforto.”

  • 13. Tenha aulas
    “A educação continuada em sua nova linha de trabalho é motivadora e alimenta o fogo necessário para continuar.”

  • 14. Cuide-se
    “Autocuidado, conversa interna positiva e afirmações são cruciais, diariamente. Tenha cuidado para não dizer apenas ‘sim’ a tudo. Você quer dizer ‘sim’ tanto quanto possível, mas faça isso estrategicamente. Voltar à sua intenção original e se lembrar de por que fez a escolha de mudar de carreira também é importante. Isso ajuda você a persegui-la com a energia adequada.”

  • 15. Considere viajar
    “Depois do meu último dia no emprego em tempo integral, fiz uma viagem de 10 dias para relaxar e marcar o momento. Se você tiver os recursos, pense em tirar um tempo e viajar antes de fazer a troca. E tente manter e criar férias em seu novo negócio, mesmo que seja autônomo. Nós todos sabemos o quão importante é viajar para recarregar as baterias. Também aprendemos e revigoramos nossa criatividade. E criamos espaço na mente e no coração para novas ideias surgirem.”

1. Pense em como suas habilidades e interesses podem se traduzir em uma nova carreira
“Depois de uma carreira de sucesso como dançarina, incluindo dançar como Radio City Rockette por seis temporadas, decidi que queria trabalhar na publicação de revistas. Eu amava a palavra escrita: escrever em meu diário e sobre viagens, quando estava em turnê, era um hobby. Como eu sabia muito sobre dança e nada sobre publicações, consegui a posição perfeita como assistente-editorial na revista ‘Dance Spirit’ e, eventualmente, trabalhei até me tornar editora-chefe, antes de seguir para a ‘National Geographic Adventure’ e depois para a ‘Travel + Leisure’ e a ‘Departures’.”

 

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).