Netflix é responsável por 15% do tráfego global de dados

Um novo relatório da empresa norte-americana especializada em network Sandvine revelou as aplicações responsáveis pelos maiores tráfegos na web. A Netflix, sozinha, é responsável pelo mais alto número de megabytes do mundo. YouTube vem logo atrás, seguido pela Amazon Prime Video.

VEJA TAMBÉM: Receita com streaming de música supera vendas físicas

Fundada na Califórnia, em 1997, a plataforma de streaming Netflix começou como um pequeno serviço de DVD por correio nos EUA e se especializou em distribuição de mídia e vídeo sob demanda ao longo dos anos.

Segundo informações do Statista, o número de assinantes de streaming da plataforma cresce constantemente e superou a marca de 100 milhões em 2017, graças à estratégia de expansão global da companhia. Embora mais da metade dos assinantes da Netflix estejam localizados nos Estados Unidos, a presença da empresa aumenta gradativamente no mundo todo. Alguns dos mercados mais importantes são México, Brasil e Argentina, com penetração de 72% nessas regiões, também em 2017.

Esse crescimento progressivo da plataforma tem um impacto direto nos ganhos, uma vez que a receita anual da empresa aumentou mais de dez vezes entre 2005 e 2016.

Veja na galeria de fotos abaixo as 11 aplicações responsáveis pelos maiores tráfegos na internet:

  • 11ª. PlayStation Download: 2,7%

  • 10ª. HTTP: 3,2%

  • 9ª. HTTP Download: 3,7%

  • 8ª. Amazon Prime Video: 3,7%

  • 7ª. QUIC — protocolo de rede para acelerar aplicativos on-line: 3,9%

  • 6ª. HTTP — protocolo de segurança (TLS): 4,1%

  • 5ª. RAW MPEG-TS — formato digital para transmissão e armazenamento de áudio, vídeo e dados: 4,4%

  • 4ª. YouTube: 11,4%

  • 3ª. HTTP media stream: 13,1%

  • 2ª. Netflix: 15%

  • 1ª. Outras aplicações: 34,9%

11ª. PlayStation Download: 2,7%

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).