Os 3 melhores investimentos para 2019 nos EUA

Procurar setores lucrativos para investir pode ser uma boa estratégia quando se está em busca de novas oportunidades. Ao mesmo tempo, porém, nem sempre é um ótimo plano colocar sair lançando dinheiro por aí, apostando em ações em alta.

LEIA MAIS: Brasil deve receber mais de R$ 1 tri em investimentos até 2021

Em vez disso, a melhor medida é adotar uma abordagem paciente, constante e de longo prazo ao pesquisar setores, segmentos e meios de investimento. Embora prever o retorno futuro do investimento seja algo repleto de dificuldades, sem dúvida existem áreas em que se pode enxergar um provável crescimento contínuo.

Veja, na galeria de fotos abaixo, os 3 melhores investimentos para 2019:

  • Fundos de índice

    Os fundos de índice (ETFs, na sigla em inglês) observaram um salto na procura nos últimos anos. Conforme a descrição da TD Ameritrade, um fundo de índice é uma cesta de títulos que são negociados no mesmo dia como ações individuais em uma bolsa, e costumam ser voltados a seguir um índice subjacente. São semelhantes aos fundos mútuos, no sentido de que têm uma abordagem de detenção de fundos em sua estrutura. Isso significa que eles têm diversos ativos, como um pequeno portfólio. Em geral, cada fundo de índice tem foco em uma classe de ativos, categoria ou setor específico. Além disso, certos fundos de índice de segmentos estão preparados para o crescimento futuro, de tal modo que até mesmo os iniciantes em investimentos podem lucrar.

    Fundos de índice de serviços públicos, em particular, parecem bastante promissores, como o Utilities Select Sector SPDR ETF (XLU). Embora seus preços tenham caído entre 2017 e 2018, o aspecto mais significativo é o crescimento constante e prolongado desde 2009. Os principais ativos do XLU são de empresas como a NextEra Energy, a Duke Energy e a Dominion Energy, entre muitas outras, abrangendo tanto fontes de energia convencionais – eletricidade e gás natural, por exemplo –, quanto fontes ​​de energia renováveis. A NextEra, aliás, é a instaladora de energia renovável número 1 do mundo, de acordo com a Clear Technica.

  • Fundos de investimento imobiliário

    Muitos fundos de investimento imobiliário (FIIs), como a UDR, Inc., têm se beneficiado das recentes tendências da habitação. A porcentagem e o número de locatários têm aumentado constantemente na esteira do colapso e da recuperação desse setor. A UDR é dona de quase 50 mil apartamentos, tem 46 anos de existência e paga dividendos há 33. Seu FFO (“funds from operations”) ou resultado operacional – equivalente ao lucro por ação nos FIIs – é excelente.

    A estratégia da UDR é objetiva, mas, ao mesmo tempo, brilhante: construir ou comprar em bairros procurados, onde as empresas estão exauridas ou têm uma necessidade insaciável de trabalhadores e onde a moradia é difícil – cidades como São Francisco, Boston, Los Angeles, Seattle e Washington.

    O preço das ações da UDR vem apresentando alta gradual nos últimos três anos, após um grande salto de 2013 a 2015, segundo o Yahoo Finance. Como os índices de aquisição de imóveis estão em baixa em muitas cidades em expansão, os FIIs podem se beneficiar imensamente do aumento de locatários no próximo ano.

  • Setor de assistência a idosos

    O setor de assistência a idosos está crescendo muito, e não por causa de uma bolha especulativa. O mundo está envelhecendo, e a população acima de 60 anos deve chegar a 2 bilhões até 2050 – cerca de 22% da população mundial, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Com o aumento, surgem novas e mais oportunidades de investimento em empresas voltadas a essa faixa etária.

    As áreas decisivas de crescimento podem ser encontradas especialmente no setor de moradias para aposentados e no de atendimento de saúde domiciliar. O Serviço de Estatísticas do Trabalho dos Estados Unidos prevê que a demanda de assistentes de saúde domiciliar e pessoal de cuidados pessoais aumentará em 47% e 39%, respectivamente, nos próximos dez anos. Isso leva a um outro ponto: a saúde é uma das maiores despesas dos idosos – senão a maior – e, consequentemente, da economia mundial como um todo. Segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, os gastos com saúde em seus 35 países membros podem aumentar para 14% do PIB até 2060.

    Assim, ao fazer negócios especificamente no setor de saúde dos idosos, procure ações diversificadas de companhias farmacêuticas e fabricantes de produtos de consumo, como Johnson & Johnson, Merck, Pfizer e United Health Group. Além do setor de saúde, o de cuidados com idosos e seus setores secundários oferecem uma ampla gama de oportunidades de investimento que você pode aproveitar em 2019.

Fundos de índice

Os fundos de índice (ETFs, na sigla em inglês) observaram um salto na procura nos últimos anos. Conforme a descrição da TD Ameritrade, um fundo de índice é uma cesta de títulos que são negociados no mesmo dia como ações individuais em uma bolsa, e costumam ser voltados a seguir um índice subjacente. São semelhantes aos fundos mútuos, no sentido de que têm uma abordagem de detenção de fundos em sua estrutura. Isso significa que eles têm diversos ativos, como um pequeno portfólio. Em geral, cada fundo de índice tem foco em uma classe de ativos, categoria ou setor específico. Além disso, certos fundos de índice de segmentos estão preparados para o crescimento futuro, de tal modo que até mesmo os iniciantes em investimentos podem lucrar.

Fundos de índice de serviços públicos, em particular, parecem bastante promissores, como o Utilities Select Sector SPDR ETF (XLU). Embora seus preços tenham caído entre 2017 e 2018, o aspecto mais significativo é o crescimento constante e prolongado desde 2009. Os principais ativos do XLU são de empresas como a NextEra Energy, a Duke Energy e a Dominion Energy, entre muitas outras, abrangendo tanto fontes de energia convencionais – eletricidade e gás natural, por exemplo –, quanto fontes ​​de energia renováveis. A NextEra, aliás, é a instaladora de energia renovável número 1 do mundo, de acordo com a Clear Technica.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).