A história da gigante de software de US$ 1 bilhão

GettyImages
A Airtable acrescentou a experiência de arrastar e soltar a um poderoso banco de dados, da mesma forma que o Windows substituiu comandos baseados em texto por uma interface gráfica ou como a AOL oferecia um portal de boas-vindas à web.

No mundo da tecnologia, onde é imperativo se mover rapidamente e quebrar paradigmas, Howie Liu é de um ritmo frenético. Com Andrew Ofstad e Emmett Nicholas, ele lançou a Airtable em 2013. A ideia era oferecer uma planilha com o poder de um banco de dados. O trio passou três anos na construção do protótipo.

LEIA MAIS: IBM compra empresa de software Red Hat por US$ 34 bi

Os desenvolvedores estudaram artigos acadêmicos sobre teoria de software colaborativo, sofreram com a arquitetura do Node.js e ficaram obcecados com a velocidade com que novos insights surgiram. Depois de ler o livro de design de Quênia Hara, “White”, por exemplo, Liu passou meses focado na interação entre cor e espaço vazio.

Aos 30 anos, sentado em sua sede em São Francisco, Liu veste jaqueta de couro e camisa pretas, calça e sapatos. Uma espécie de uniforme minimalista à la Steve Jobs. “Em vez de apressar a saída de um produto, introduzimos um período de demora forçada, para que as pessoas tenham uma chance de dormir sobre uma ideia”, diz. “É um conceito que chamamos de ‘ferver’.”

Agora, a Airtable está fervendo. O software baseado em nuvem de Liu se estabeleceu em 80.000 organizações – do Netflix a pequenas empresas sem fins lucrativos. A receita deve saltar 400%, para US$ 20 milhões em 2018, principalmente no boca-a-boca.

Os investidores noticiaram, em março, que a companhia levantou US$ 59 milhões da CRV, Caffeinated Capital e Slow Ventures. No mês passado, conseguiu mais US$ 100 milhões da Benchmark, Thrive Capital e Coatue Management, com uma avaliação pós-financeiro de US$ 1,1 bilhão.

A Airtable acrescentou a experiência de arrastar e soltar a um poderoso banco de dados, da mesma forma que o Windows substituiu comandos baseados em texto por uma interface gráfica ou como a AOL oferecia um portal de boas-vindas à web. “É uma maneira intuitiva e divertida de criar dados de uma forma que você não pode usar em sistemas pesados como o Microsoft Access e o Excel”, diz Ray Tonsing, da Caffeinated Capital. “É um produto bom de se usar.”

À primeira vista, o sistema parece uma planilha do Google. E é mesmo uma planilha colaborativa, que pode armazenar imagens, documentos, vídeos e URLs. Tudo isso pode ser arrastado para as células e aberto com um clique. E, embora as planilhas do Google funcionem bem para projetos com uma equipe de dez ou mais pessoas, o sistema da Airtable tem um banco de dados relacional para administrar empresas com milhares de funcionários remotos, que podem acessá-lo simultaneamente por meio de computadores, smartphones e tablets. As milhões de linhas de código, escritas em Node.js de código aberto, criptografam os dados e fazem backup com instantâneos restauráveis.

A precificação está no modelo “freemium usual”. O usuário recebe serviços básicos grátis. As assinaturas, que custam US$ 10 ou US$ 20 por mês, oferecem recursos avançados e espaço de armazenamento potente. Pacotes empresariais começam em US$ 60 por cabeça. Um em cada seis usuários da plataforma é um cliente pago.

SAIBA TAMBÉM: Startup quer encontrar cura para 100 doenças com IA

O recurso de definição do Airtable é um cardápio de aplicativos e funções, chamado de “blocos”. Com eles, você pode sobrepor conjuntos de dados em um mapa do Google, aplicar regras e fórmulas, enviar alertas e mensagens para colegas, compartilhar arquivos via mensagens SMS ou e-mails, integrar com serviços como o Slack e o Dropbox, além de agregar pesquisas e formulários e enviar conteúdo para sites em tempo real.

O sistema se soma a um poderoso kit de ferramentas que permite, a qualquer pessoa, criar aplicativos personalizados (pipelines de vendas, relatórios de clientes, fluxos de gerenciamento de projetos, calendários editoriais, gerenciamento de inventário) que, até então, exigiam criadores de código ou consultores caros.

A Airtable não é o único fornecedor de software a falar sobre programação de código aberto. A Quick Base, um spin-off da Intuit, faz um discurso similar. Isso não impede que Liu imagine como sua empresa pode capturar uma ampla faixa do processamento de dados do mundo. “As pessoas acham que estamos criando um substituto do Excel ou das planilhas do Google, mas estamos prontos para criar a próxima Microsoft ou Apple”, afirma. “Esta é uma oportunidade de receita de mais de US$ 100 bilhões.”

A declaração é ambiciosa – até para um setor que busca a imortalidade e lança carros elétricos em órbita. Afinal, a oportunidade de expandir de uma linha restrita de produtos para um conjunto completo de softwares comerciais não pertence apenas à Airtable. Liu pode encontrar uma maneira de roubar alguns dos US$ 110 bilhões em vendas da Microsoft – e esta pode pegar alguns dos seus.

Mas Liu está certo de que a Airtable pode vencer sendo a versão do software da Lego, ao fornecer blocos para permitir que qualquer empresa crie softwares personalizados do tipo “faça você mesmo” de forma barata e rápida. “Os dados mais valiosos dos Estados Unidos ainda estão armazenados na cabeça das pessoas e nas planilhas Excel”, diz Sam Lessin, da Slow Ventures, que participou da campanha de arrecadação de fundos da Airtable em março. “Se você puder se tornar o lugar onde todos os dados que operam a maioria das empresas estão, a oportunidade de construir um ecossistema e ser a próxima grande plataforma se torna óbvia.”

Liu está apostando que terá mais força quando os empreendedores criarem programas para a Airtable, como fazem agora para a App Store e o Google Play. “O software serve como uma tela em branco para o que uma empresa precisa”, diz o fundador da Thrive Capital, Joshua Kushner. “E isso é extremamente poderoso.”

A Airtable tem usuários ilustres. A Netflix utiliza seu sistema para executar seu pipeline de pós-produção. A Atlantic Records construiu um programa Airtable para gerenciar a comunicação entre produtores, compositores e artistas. A WeWork, uma das primeiras a adotar a ferramenta, tem milhares de funcionários que a utilizam para gerenciar e planejar projetos de construção.

Para a Calvin Klein, um banco de dados da Airtable determinou suas operações de terceirização de tecidos – até então um complexo malabarismo de milhares de e-mails e planilhas off-line entre estilistas, gerentes de projeto e fábricas têxteis no exterior. Agora, há um aplicativo central que gerencia calendários, imagens, custos de produção, lead time de fabricação e programações de envio. A PVH, empresa controladora da Calvin Klein, já implantou a ferramenta também na operação de suas outras marcas.

Durante o furacão Harvey, a organização sem fins lucrativos Austin Pets Alive criou um aplicativo com a ajuda da Airtable para rastrear animais desaparecidos. Os criadores de gado em Idaho o utilizam para mapear o histórico de saúde e os registros de vacinação das vacas.

“É um contraponto à soberba do Vale do Silício”, diz Liu. Seu escritório, na Market Street, está repleto de totens da meca da tecnologia: cápsulas de reuniões à prova de som, robôs de rede remota e fileiras de mesas motorizadas. “Há uma mentalidade de que as pessoas do meio do país não têm o desejo ou a inteligência suficiente para usar a tecnologia.”

Filho de pais coreanos que foram criados na China, Liu cresceu em College Station, Texas, onde seu pai ganhou um Ph.D. de bioquímica pela Texas A&M. Sua mãe, engenheira na China, trabalhava por um salário mínimo no McDonald’s e fazia bicos como costureira. “Ela chegava em casa com as mãos ensanguentadas”, lembra Liu. “Mas ainda tinha energia para me ensinar matemática, leitura, artes e artesanato.” Ela deu a ele livros sobre Steve Jobs e Bill Gates. “Naquela época, a Microsoft era uma tremenda empresa e Bill Gates era a pessoa mais rica do mundo. Eu acho que li quatro biografias sobre ele.”

AINDA: BlackBerry leva empresa de segurança digital: US$1,4 bi

Aos 13 anos, Liu aprendeu sozinho a codificar a linguagem C++ depois de encontrar um livro de treinamento não lido no escritório de seu pai. Aos 16, foi para a Duke University e, em 2009, formou-se em engenharia mecânica e políticas públicas.

O empreendedor conseguiu um emprego na área de desenvolvimento de software na Accenture, em San Jose. O salário era maior do que a renda de seus pais juntos. Mas na noite anterior de seu início, ele ficou com medo e nunca apareceu. “Foi uma decisão difícil. Eu não tinha recursos financeiros nos quais me apoiar. Mas, no final, optei por tentar fazer uma startup.”

Ele lançou, então, uma empresa de quatro pessoas chamada Etacts, que agregava mensagens de e-mail, Facebook e Twitter. Em 2010, conseguiu um lugar na Y Combinator, o berçário Mountain View, na Califórnia, para novos empreendimentos. Mais tarde, ainda naquele ano, vendeu a Etacts para a Salesforce, ganhou US$ 1 milhão e a chance de desenvolver um produto de bate-papo.

Na Salesforce, Liu gostava das pessoas e do salário, mas, mais uma vez, sentiu-se à vontade para começar algo novo. Saiu em 2012, viajou para o Japão e Uganda e leu livros sobre filosofia e teoria do design. Visitou museus, realizou experimentos de teoria das cores por meio da pintura e aprendeu a esculpir.

Naquele momento, Andrew Ofstad, um colega de classe da Duke, estava passando por uma licença de seu cargo de gerente de projetos do Google. Logo os dois carregavam enormes monitores de computador nos apartamentos um do outro para brincar com os programas. Eles desenvolveram um para organizar fotos e construíram um processador de textos para escrita criativa.

A Airtable tomou forma em 2012. Levantou US$ 3 milhões da Caffeinated Capital e da Freestyle Capital em março de 2013. Com menos de dez funcionários, lançou o primeiro banco de dados no inverno norte-americano em 2015 e arrecadou outros US$ 8 milhões em financiamento alguns meses depois. “Sempre levantamos muito dinheiro”, diz Liu, cuja participação acionária é reduzida a 10%.

Liu precisará dos US$ 100 milhões como uma última dose de capital de risco. Além do Quick Base, a Coda, outra startup bem financiada, está de olho no mesmo mercado. Gigantes da tecnologia também são uma ameaça. “Há uma equipe da Amazon, gerenciada por alguém que conheço, criando um concorrente direto para nós”, diz Liu. A Amazon não respondeu aos pedidos de entrevista.

O objetivo do empreendedor é usar parte do dinheiro recentemente adquirido para lançar uma campanha de marketing forte, ensinando sobre os recursos da Airtable aos clientes. Ele também investirá em empresas que desejam criar aplicativos. Como sempre, Liu não tem pressa: “Ter o capital no banco nos permite continuar priorizando coisas que podem não durar anos”.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).