10 melhores aeroportos para trabalho remoto

Para muita gente, os aeroportos se tornaram uma parte importante do trabalho. Viagens a negócios viraram hábito, tanto que não é mais aceitável desperdiçar tempo enquanto se está em uma delas – é preciso aproveitar ao máximo, trabalhando onde e quando for necessário.

LEIA MAIS: Os 17 aeroportos mais perigosos do mundo

No entanto, às vezes isso é mais fácil de dizer do que de fazer. Aeroportos são movimentados, barulhentos e podem dificultar o trabalho, principalmente se você não estiver usando um lounge exclusivo. É por isso que a PowWowNow conduziu um projeto de pesquisa com o objetivo de descobrir quais, dos 50 aeroportos analisados ao redor do mundo, são os melhores e os piores para quem está sempre em movimento a trabalho.

Ao atribuir uma pontuação de 0 a 10 para cada aeroporto, a empresa levou em consideração os seguintes critérios: wi-fi gratuito e de qualidade, pontualidade dos voos, número de lounges disponíveis, número de visitantes em 2017, satisfação dos passageiros e qualidade do serviço em geral.

No topo da lista está o Aeroporto Internacional de Narita, localizado no Japão. Com 30 lounges e menos movimento, oferece inúmeros espaços para o trabalho remoto, com acesso gratuito ao wi-fi. No Top 10 estão também o Aeroporto Internacional de Suvarnabhumi e o Aeroporto de Londres-Heathrow, com 44 lounges cada. Nenhum aeroporto norte-americano apareceu entre os melhores.

Por outro lado, existem muitos aeroportos que podem ser evitados se você tem trabalho a fazer. Ao contrário dos 10 melhores, a lista dos 10 piores aeroportos tem uma grande participação dos Estados Unidos, com cinco representantes norte-americanos. O pior aeroporto analisado foi o Aeroporto Internacional de Atlanta Hartsfield-Jackson, que tem apenas 15 lounges e é o mais movimentado do mundo, com quase 104 milhões de passageiros passando pelos portões em 2017.

Outros aeroportos norte-americanos na lista são o Aeroporto Internacional de Newark, o Aeroporto Internacional O’Hare, o Aeroporto Internacional de Orlando e o Aeroporto Internacional de Denver. Já na Inglaterra, o Aeroporto de Londres Gatwick ficou com a vice-liderança na lista geral dos piores e o 1o lugar no quesito satisfação do cliente.

VEJA TAMBÉM: Dois aeroportos brasileiros estão no Top 10 mundial

Veja, na galeria de fotos abaixo, os 10 melhores aeroportos para trabalho remoto:

  • Os 10 melhores aeroportos para trabalho remoto e a nota obtida no estudo:

  • 1. Aeroporto Internacional de Narita (Japão): 7,4

  • 1. Aeroporto Internacional de Suvarnabhumi (Tailândia): 7,4

  • 3. Aeroporto Internacional de Moscovo-Sheremetievo (Rússia): 7,3

  • 4. Aeroporto Changi de Singapura (Singapura): 7,1

  • 5. Aeroporto Internacional de Taiwan Taoyuan (Taiwan): 7,0

  • 5. Aeroporto Internacional de Roma (Itália): 7,0

  • 7. Aeroporto Internacional de Tóquio (Japão): 6,9

  • 7. Aeroporto de Londres-Heathrow (Inglaterra): 6,9

  • 9. Aeroporto Internacional de Hong Kong (Hong Kong): 6,8

  • 9. Aeroporto Internacional de Incheon (Coreia do Sul): 6,8

Os 10 melhores aeroportos para trabalho remoto e a nota obtida no estudo:

Veja, na galeria de fotos abaixo, os 10 piores aeroportos para trabalho remoto:

  • Os 10 piores aeroportos para trabalho remoto e a nota obtida no estudo:

  • 1. Aeroporto Internacional de Atlanta Hartsfield-Jackson (Estados Unidos): 5,1

  • 2. Aeroporto de Londres Gatwick (Inglaterra): 5,6

  • 3. Aeroporto Internacional de Newark (Estados Unidos): 5,7

  • 4. Aeroporto Internacional O’Hare (Estados Unidos): 5,8

  • 4. Aeroporto de Barcelona-El Prat (Espanha): 5,8

  • 6. Aeroporto Internacional de Orlando (Estados Unidos): 5,9

  • 6. Aeroporto Internacional de Denver (Estados Unidos): 5,9

  • 6. Aeroporto Internacional Pearson de Toronto (Canadá): 5,9

  • 9. Chhatrapati Shivaji International Airport (Índia): 6,0

  • 9. Aeroporto de Amsterdã Schiphol (Holanda): 6,0

Os 10 piores aeroportos para trabalho remoto e a nota obtida no estudo:

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).