Conheça a face mais visível da revolução tecnológica

Divulgação
Tecnologia no ensino no colégio Positivo

Esta é sem dúvida a face mais visível da revolução tecnológica. Hoje incontáveis serviços são facilitados ou mesmo realizados do início ao fim com a ajuda do celular: transações bancárias, transporte, compras, cursos e consultas online…

LEIA MAIS: Descubra o que é a revolução digital

Nessa corrida, o setor bancário saiu na frente – e ainda tem muito combustível para queimar, como prova o surgimento acelerado de startups e fintechs voltadas ao público insatisfeito com os serviços baseados no modelo tradicional. “Quase todo mundo tem um smartphone, mas menos da metade da população brasileira tem uma conta corrente. Há também correntistas que são mal atendidos”, afirma Alexandre de Souza Pinto, diretor de inovação e novos negócios da Matera, empresa especializada em serviços de tecnologia financeira. “É preciso levar em conta a marca e a credibilidade dos grandes bancos. Mas se uma nova empresa consegue mostrar valor em praticidade, qualidade e economia, o brasileiro vira a chave”, afirma.

Para David Velez, CEO e fundador do Nubank, criado em 2013, a tecnologia é um meio para as novas empresas oferecerem serviços mais rápidos e econômicos. “Uma startup tem toda sua plataforma na nuvem, por exemplo. Com um botão, temos acesso a tudo”, diz ele. E esse corte de gastos traz economia para a companhia e para o cliente ao baratear o custo do serviço ou até mesmo deixá-lo gratuito, como é o caso do Nubank. “Isso é possível porque a operação é baixa e não há agências”, explica Velez.

Dessa forma, novas empresas optam por investir mais em tecnologia do que em infraestrutura. “O potencial de machine learning e inteligência artificial vai aumentar ainda mais essa eficiência”, diz Velez. Para checagem da validade de transações maiores, por exemplo, o app do Nubank dispõe de reconhecimento facial, que identifica se quem está ali é o cliente ou um fraudador. “Você não tem de ligar para um call center ou esperar a aprovação de crédito.”

O diretor de inovação da Matera aponta outro fator importante: os grandes bancos também foram para o digital, e, ao contrário do que se poderia pensar, as margens aumentaram, já que menos pessoas usam agência. Segundo ele, nesse caso o ganho de custo ficou para os bancos e não para o consumidor. “Aí que está: quando entra um player novo, que já tem sua base digital, abre-se o mercado, gera-se concorrência e novas possibilidades”, ressalta.

Os gigantes do setor sentiram o golpe e reagiram. “Esse movimento foi iniciado por uma transformação comportamental do cliente, e o Santander embarcou nessa jornada”, afirma Alexandre Zancani, diretor de negócios digitais do banco espanhol no Brasil. “Reestruturamos nosso modelo organizacional, o que deu velocidade nas entregas e solução de problemas e demandas.”

Ficou claro que as instituições financeiras que não se digitalizarem cada vez mais, buscando agilizar e otimizar seus processos, ficarão para trás. “As pessoas devem migrar cada vez mais (para o mundo digital), e os bancos seguirão esse caminho – seja ficando mais competitivos, seja comprando essas novas instituições”, afirma Souza.

VEJA TAMBÉM: Por dentro da revolução das máquinas

O diretor de negócios digitais do Santander observa o fenômeno na prática. “Entendemos essa mudança como uma oportunidade de nos reinventarmos. Tanto que passamos a enxergar a relação com as fintechs e startups como uma oportunidade de fazer novos negócios, agregando a velocidade delas à expertise do banco”, afirma.

O BTG Pactual, que tem uma plataforma 100% digital de investimentos, também percebeu que tem de ir além de digitalizar os serviços financeiros de forma vertical. Para isso, criou, em 2017, o boostLAB, seu programa de potencialização de startups que tem como objetivo estimular novas propostas e serviços mais conectados. “Estamos cada vez mais próximos das iniciativas digitais. Não basta ter uma boa equipe de TI, é importante estar neste mundo [de startups], saber quem são os players e nos anteciparmos”, afirma Renato Mazzola, head de private equity do BTG Pactual. A iniciativa funciona, basicamente, como uma troca de experiências: o banco traz expertise, visibilidade e uma possibilidade de investimentos, enquanto as startups mostram um pouco do que têm produzido
sem criarem um vínculo formal. “Isso tem sido muito importante para nós. O que estamos vendo hoje são os disruptores do futuro.”

Frederico Pompeu, responsável pelo boostLAB, concorda: “Toda e qualquer indústria será disrupted. Você tem que saber o que a concorrência está fazendo. Nós queremos entrar em novos produtos”. As startups escolhidas para o programa são de diferentes segmentos, como a F(X), plataforma de busca por crédito para médias e grandes empresas, e a Zigpay, de pagamentos para eventos e casas noturnas. O banco não revela em qual irá investir, mas diz que está “muito próximo do casamento”.

Os especialistas ouvidos pela FORBES enfatizam a urgência dessas parcerias com startups. “O banco é um urso com diversas abelhas atacando. Não podemos deixar de prestar atenção nas startups porque elas focam em falhas que inevitavelmente existem”, afirma Pompeu. “É fundamental que tenhamos uma oferta cada vez mais completa de serviços e produtos nos canais digitais, mas também precisamos entender e contextualizar cada oferta”, afirma Zancani. “O consumidor vai se acostumar com produtos melhores e mais eficientes. Começa pelo público jovem, mas a tendência é atingir outros segmentos da sociedade”, conclui Velez.

A mudança digital nos meios de pagamentos também impactou o consumo. Grandes players do setor energético têm investido alto em soluções tecnológicas que diminuam os custos de operação para tentar oferecer energia mais barata e limpa para o consumidor. Além dos investimentos da Eletropaulo – da ordem de R$ 4 bilhões – em tecnologias já mencionadas nesta reportagem, a portuguesa EDP, que opera em São Paulo e no Espírito Santo, também está nessa corrida – e aporta R$ 25 milhões por ano em tecnologia e inovação. “Criamos novos produtos e serviços alinhados às tendências de empoderamento do cliente, como descarbonização, uso de energia a partir de fontes renováveis e a digitalização, tanto de processos quanto de novos serviços digitais que melhorem a experiência do cliente”, afirma Lívia Brando, gestora de inovação da EDP Brasil.

E TAMBÉM: 10 maiores empresas do segmento digital de 2018

A empresa tem investido alto em pautas que miram tanto a entrada em novos mercados quanto o estímulo ao carro elétrico, por meio da construção de pontos de recarga entre São Paulo e Rio de Janeiro. A executiva fala em adoção generalizada de redes inteligentes de distribuição e robotização de processos internos. Tudo isso, claro, é profundamente dependente da transformação digital.

NOVIDADES ATÉ NA SALA DE AULA

Se hoje crianças e adolescentes passam o dia conectados em seus smartphones e têm o costume de escrever mais em um teclado do que à mão, por que as escolas não se adequariam? “Os mais novos, por exemplo, são nativos digitais. É importante pensar na utilização das tecnologias respeitando as fases de aprendizagem de cada indivíduo, dando subsídio necessário nessa fase de transição”, afirma Ágata Soares, assessora de tecnologia educacional e inovação da rede de colégios Positivo.

Como exemplo prático, diferentemente das crianças que passaram pela escola até o início dos anos 2000, hoje a tecnologia não é uma das pautas do ensino, ela é um componente essencial na formação escolar. “Buscamos projetos que envolvam o desenvolvimento do pensamento computacional, a criação e utilização de aplicativos, além de uma série de atividades que envolvam a utilização de chromebooks e que não deixem de lado a interação entre colegas, professores e família”, explica ela.

Existem inúmeros aplicativos e startups voltados à educação em seus mais diferentes focos. Entre eles, iniciativas como o Kahoot, uma plataforma baseada em jogos em que os professores colocam exercícios para os alunos e eles podem competir entre si, e o Socrative, que oferece conteúdo de forma interativa para assuntos mais pesados, como matemática. “Estimulamos nosso aluno a ter uma visão global – e isso inclui observar de modo crítico, analítico, com cuidado e empatia, sem deixar de lado seus valores”, afirma Ágata.

Reportagem publicada na edição 62, lançada em outubro de 2018

Já está no disponível no aplicativo ForbesBrasil a edição 64 com a lista Under30.
Baixe o app na Play Store ou na App Store.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).