Como empreendedora que quase morreu hoje faz história

Reprodução/Forbes
A empreendedora compartilha sua verdade de maneira transparente e serve como exemplo para oportunidades de cura e crescimento para outras mulheres

É frequente nos depararmos com casos de pessoas que, ao vivenciar um problema ou detectar uma lacuna no mercado, são levadas a desenvolver negócios orientados às soluções. Embora haja inúmeros exemplos do tipo, algumas pessoas ficam paralisadas pelo medo da incerteza – enquanto outras a usam como um empurrão. Um desses casos é o de Arion Long, que usou duas experiências de quase morte para alimentar sua paixão pela criação de soluções orgânicas de cuidado reprodutivo para mulheres.

LEIA MAIS: Programa busca ideias de mães empreendedoras

Depois de ser diagnosticada com uma doença reprodutiva relacionada a componentes químicos em produtos femininos populares, Arion decidiu ajudar as pessoas a ter acesso a itens em que podiam confiar. Milhões de mulheres sofrem de problemas reprodutivos como miomas, endometriose, ovários policísticos ou têm períodos menstruais complicados. Era importante para ela se transformar em uma agente de mudança, o que a levou a criar uma assinatura feminina chamada Femly que, desde então, tem crescido para uma linha de produtos reprodutivos baseada em soluções.

Em maio de 2018, dois anos após o diagnóstico, a adversidade mais uma vez bateu à porta de Arion. A empreendedora perdeu sua filha, Sage, em um parto de natimorto. Ela também foi diagnosticada com sepse, falência de órgãos e coagulação intravascular disseminada, o que acabou colocando-a na UTI. Nos dias seguintes, Arion viveu uma luta sem igual. Depois de uma enorme perda de sangue e de ter passado por várias transfusões, ela saiu viva e saudável da experiência.

Pouco depois, Arion arrecadou US$ 10 mil para a Femly e passou a ganhar financiamentos de seis dígitos nas semanas seguintes.

Com um espírito inabalável, a empreendedora compartilha sua verdade de maneira transparente e serve como exemplo para oportunidades de cura e crescimento para outras mulheres. Arion conversou com a FORBES sobre prosperar diante de grandes traumas e perdas.

VEJA TAMBÉM: Por que a rotina matinal é vital para mães empreendedoras

FORBES: O que a inspirou a compartilhar sua história?

Arion Long: Eu fui inspirada a compartilhar minha história porque foi terapêutico para mim. Felizmente, nunca pareço tão mal quanto me sinto, mas percebi que muitas pessoas me evitavam, não mencionavam minha perda ou simplesmente ficavam sem palavras. Então, gritar o nome de Sage do topo das montanhas e continuar minha jornada foi importante. Eu sou maior do que a minha história e sou a prova de que tudo pode ser realizado.

FORBES: Construir um negócio e administrar a saúde física e mental é algo de que costumamos falar nos podcasts, nas redes sociais e nas conversas do dia a dia. Qual a sua opinião sobre equilibrar o trabalho e a vida pessoal?

Arion Long: Apesar da crença popular de que eu sou uma supermulher, constantemente me lembro de que eu não sou! É muito importante que as pessoas percebam que o autocuidado é mais do que beber uma xícara de chá e tomar um banho de banheira. Eu sou a maior defensora de aconselhamento, terapia, manter um círculo de amizade firme, falar sobre os medos em voz alta e aproveitar as pessoas nas quais me apóio para ajudar a me carregar quando não consigo sozinha.

FORBES: Fundadores bem-sucedidos geralmente falam sobre como a jornada inicial pode ser solitária. Como é essa jornada, quando combinada com trauma e perda?

Arion Long: Trauma, perda e tristeza são processos incrivelmente solitários. Felizmente, eu tive o apoio do meu marido quando voltei a gerenciar minhas obrigações comerciais e a me concentrar na cura. No entanto, enfrentamos esses eventos juntos e temos métodos completamente diferentes para isso. Frequentemente, muitos fundadores se esforçam para trabalhar mais, em uma tentativa de escapar da dor. É muito importante abordar as coisas de frente e se permitir sentir as ondas de emoção que elas trazem. O enfrentamento pode incluir um dia dedicado à saúde mental, planejar uma rápida viagem ou sair de casa para fazer algo que você, em determinado momento, amou fazer.

FORBES: Você ganhou várias competições, participou de inúmeras palestras e recebeu diversas honras durante o caminho de crescimento da Femly. O que a ajudou a continuar alcançando o sucesso em meio a grandes traumas e perdas?

Arion Long: Eu acredito, sinceramente, que a minha fé e o espírito da minha filha têm uma mão em tudo que faço. Não consigo dizer como arrecadei e ganhei US$ 10 mil em apenas 10 dias depois de ser extubada (ventilação mecânica para conseguir respirar), enquanto sofria de perda de memória complexa. Eu não posso dizer a você como consegui me manter tempo o suficiente para continuar a encontrar razões para viver e ainda tendo que lidar com inflamação sistêmica. Eu, honestamente, não tenho todas as respostas, mas sei que estou aqui por uma razão e rezo para que minha perseverança e transparência sejam capazes de ajudar alguém.

E AINDA: De Spice Girl à empreendedora de moda

FORBES: Uma vez que recebemos um prognóstico, pode ser muito fácil entrar no Google em busca de soluções médicas ou ler mensagens nas redes detalhando os passos de pessoas que parecem ter a mesma coisa. Como você conseguiu evitar e/ou superar a sobrecarga? E os sentimentos de síndrome do impostor?

Arion Long: Essa é fácil: eu não fiz isso. Eu literalmente tive que desistir do meu telefone porque os resultados para os sobreviventes da sepse geralmente são muito ruins. Estava lendo sobre amputações, transtorno de estresse pós-traumático permanente, distúrbios cognitivos e tinha um medo real de que eu nunca mais fosse capaz de me encontrar ou de ser a pessoa que era antes. Eu ainda estou lidando com isso. Além disso, para mim, a síndrome do impostor é diferente. Eu tenho dias incríveis e, então, a tristeza pode surgir do nada e me atingir como uma tonelada de tijolos. Tudo o que posso fazer é demonstrar gratidão por tudo que ainda tenho e planejar, criar estratégias e trabalhar em prol da minha imagem pessoal de sucesso.

FORBES: Há dicas práticas e/ou recursos que você recomendaria aos empreendedores que estiverem passando por jornadas semelhantes?

Arion Long: Mas é claro! Todos nós somos afetados pela dor em algum ponto e muitos fundadores passam por batalhas que não são vistas. Eu recomendo uma visita a plataformas como a Therapy for Black Girls, para aconselhamento, ou a Open Path Collective, para uma terapia de baixo custo e grupos de apoio.

FORBES: Alguma palavra adicional de sabedoria que você compartilharia com empreendedores que lidam com trauma e perda?

Arion Long: Converse com alguém e não tenha medo de pedir ajuda.

FORBES: O que podemos esperar da Femly em um futuro próximo?

Arion Long: A Femly está passando por uma grande transformação. Não só temos uma linha de produtos incrível, como teremos colaborações maravilhosas, entrevistas e muito mais. Você definitivamente vai ouvir falar muito da Femly!

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).