Empresa usa IA para combater o diabetes

GettyImages
Mais de 12 milhões de britânicos correm o risco de desenvolver diabetes tipo 2, colocando uma enorme pressão sobre o sistema público de saúde do Reino Unido.

A Grã-Bretanha, assim como muitos outros países ao redor do mundo, está enfrentando uma crise de saúde quando o assunto é diabetes. Pesquisas mostram que os diagnósticos da doença duplicaram nos últimos 20 anos. A estimativa é que o mal afete 3,7 milhões de pessoas com mais de 17 anos.

VEJA TAMBÉM: A pílula de ômega-3 que funcionou e rendeu milhões

O que é ainda mais preocupante é que 12,3 milhões de britânicos correm o risco de desenvolver diabetes tipo 2, colocando uma enorme pressão sobre o NHS (sistema público de saúde do Reino Unido). Especialistas já haviam avisado que o custo dos tratamentos poderia chegar a £ 17 bilhões até 2035.

Mas a empresa de tecnologia Diabetes Digital Media acredita que pode resolver este crescente problema com soluções digitais de saúde baseadas em evidências – uma delas é a plataforma comunitária diabetes.co.uk. A companhia está em uma ousada missão para reverter o diabetes tipo 2 em 10 milhões de pacientes até 2022 e ajudar o NHS a economizar £ 50 milhões por meio de prescrições.

Arjun Panesar fundou a empresa quando seu avô foi diagnosticado com diabetes tipo 2 ao ser submetido a um bypass cardíaco quádruplo. “Enquanto estudava para um mestrado em inteligência artificial, percebi que havia pouco apoio para pessoas com diabetes, então lancei a primeira comunidade digital sobre a doença no mundo”, conta. “Hoje, a DDM tem mais de 1,2 milhão de membros de 190 países que fornecem informações para a comunidade. Ao analisar os dados gerados em diferentes plataformas, desenvolvemos caminhos de tratamento altamente personalizados.”

Tratamento

Por meio das informações extraídas de sua plataforma comunitária, a DDM desenvolve sistemas inovadores de inteligência artificial que facilitam o envolvimento e o aprendizado do paciente. Uma dessas soluções é o Low Carb Program, uma ferramenta de mudança de comportamento que aborda o diabetes tipo 2, o pré-diabetes e a obesidade. Disponível no iOS, Android, Apple Watch e desktops, o aplicativo oferece resultados clinicamente validados e revisados.

E AINDA: Morte por Vibrio alerta sobre o perigo de comer ostras cruas

Arjun diz: “Os usuários recebem 12 semanas iniciais de educação estruturada focada na nutrição, seguidas por um período de manutenção orientado por IA. Os participantes têm acesso a módulos focados em alimentação, com um novo conteúdo disponível a cada semana. O material é projetado para ajudá-los na redução gradual da ingestão total de carboidratos para atingir seus objetivos previamente estabelecidos”.

Segundo ele o programa incentiva os participantes a fazerem mudanças de comportamento com base em pontos de ação ou metas de transição comportamental no final de cada módulo. “Esses objetivos são apoiados por recursos disponíveis para download, informativos, receitas e sugestões para substituição de alimentos”, explica.

A solução inclui ferramentas digitais para monitorar dados sobre diversas variáveis, como níveis de glicose no sangue, pressão arterial, humor, sono, ingestão de alimentos e peso corporal. “As aulas são dadas por meio de vídeos, conteúdo escrito ou podcasts de duração variável (de 3 a 12 minutos). Os hábitos são mantidos com suporte personalizado, recursos e educação contínua para sustentar o envolvimento.”

Escalando a tecnologia

Depois de passar por testes rigorosos, o programa foi aceito na biblioteca de aplicativos do NHS no mês passado. Enquanto isso, uma nova parceria com a Ascensia Diabetes Care facilitará a adesão, oferecendo potencialmente o acesso à tecnologia a milhares de pacientes do sistema de saúde do país. A DDM afirma que uma em cada quatro pessoas que completaram o programa estão agora em e levando uma vida saudável.

LEIA AQUI: Como Bill Gates pode mudar a luta contra o Alzheimer

“A tecnologia digital, como o Low Carb Program, amplia a saúde tradicional de várias maneiras. Em primeiro lugar, pode fornecer as ferramentas, o suporte e os recursos necessários aos pacientes para otimizar seu estilo de vida e reduzir condições como diabetes tipo 2 ou pré-diabetes”, diz Arjun.

Segundo ele, um dos principais benefícios da tecnologia digital é que ela oferece a oportunidade de envolver e afetar pessoas em grande escala, ao mesmo tempo em que mantém a hiper personalização do tratamento. “O aplicativo diminui o tempo de consulta e a sobrecarga da equipe médica e aumenta a relação entre o paciente e o profissional.”

Arjun acredita que o aplicativo pode ajudar milhares de pessoas a mudarem suas vidas. Ele afirma que um paciente conseguiu perder 50 quilos e regredir o diabetes tipo 2, enquanto outro diminuiu sua dependência de medicamentos em 75%. “Toda a equipe do DDM é motivada pelo feedback fornecido pelos usuários. Em menos de três anos, a plataforma acumulou mais de 380 mil membros”, diz ele.

No entanto, ele observa que a tecnologia pode ir mais longe, como ajudar o NHS a economizar dinheiro em termos de medicação e progressão da doença, além de otimizar o tempo e os recursos usados ​​pelos clínico gerais e profissionais de saúde.

Nos próximos meses, Arjun e sua equipe embarcam em uma ambiciosa campanha pelo crescimento em escala. “Estamos trabalhando para expandir a solução do Programa Low Carb globalmente com parceiros acadêmicos e de negócios. Isso inclui permitir que ele seja prescrito para pacientes com diabetes tipo 2, pré-diabetes e obesidade como uma terapia digital ou medicação, permitindo que profissionais de saúde monitorem pacientes de alto risco em tempo real.”

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).