3 grandes ideias da carta de Warren Buffett aos investidores

GettyImages
Em 2018, os negócios de seguros da Berkshire voltaram a registrar lucro e encerraram o ano com um recorde de US$ 122 bilhões em flutuação.

Os investidores que esperavam grandes mudanças de tom, ou transformações radicais na estratégia de Warren Buffett e Charlie Munger na carta aos acionistas da Berkshire Hathaway referente a 2018, foram desapontados mais uma vez. A companhia não revelou um dividendo, ambos acreditam que a totalidade do conglomerado vale mais do que a soma de seus componentes e eles também não se gabaram de que a caça por aquisições no mercado de hoje está fácil.

VEJA TAMBÉM: Chances de grande aquisição em 2019 são baixas, diz Warren Buffett

Mas houve alguns desenvolvimentos importantes. Durante anos, os investidores estudaram planos de sucessão na Berkshire para Buffett, 88 anos, e Munger, 95, e a carta mais recente deu novas evidências do que pode acontecer. Em 2018, a Berkshire nomeou Ajit Jain como chefe de suas atividades de seguros, lideradas pela GEICO, National Indemnity e suas operações de resseguro, e Greg Abel como chefe de operações de não seguros. Essas empresas abrangem concessionárias, ferrovias, energia, produtos químicos, aviação, tintas, residências e roupas esportivas, entre outras.

Um ano depois, Buffett e Munger parecem satisfeitos com o desempenho de ambos, que também são, neste momento, vice-presidentes. “A Berkshire é agora muito mais bem administrada do que quando eu supervisionava sozinho as operações. Ajit e Greg têm talentos raros, e o sangue da Berkshire flui em suas veias”, dizia a carta. “Esses movimentos estavam atrasados.”

Em 2018, os negócios de seguros da Berkshire voltaram a registrar lucro e encerraram o ano com um recorde de US$ 122 bilhões em flutuação. Seus negócios em ferrovias, serviços públicos e energia viram os lucros operacionais aumentarem 30%, para US$ 7,8 bilhões. O grupo de outras empresas supervisionadas por Abel gerou mais US$ 9,3 bilhões em lucros operacionais, um aumento de 29%.

“Buffett jogou um petisco para aqueles que querem mais na sucessão ao formalizar e endossar a estrutura organizacional de Ajit Jain e Greg Abel”, disse Drew Wilson, gerente de portfólio da Fenimore Asset Management, que possui ações da Berkshire com pouco volume de negócios desde a crise de 1987. No entanto, este ano Buffett e Munger não mencionaram os investidores Ted Weschler e Todd Combs na carta de acionistas. “Acredito que teremos muitas perguntas e aguardaremos por mais detalhes na reunião anual”, acrescentou Wilson, que administra em conjunto os US$ 1,1 bilhão em ativos da FAM Value Fund.

Outro problema foi a decisão de Buffett de subestimar o valor contábil da Berkshire, uma métrica que encabeça os resultados anuais da empresa há décadas. “Os leitores de longa data dos nossos relatórios vão identificar a maneira diferente pela qual abri esta carta. Por quase três décadas, o parágrafo inicial apresentou a variação percentual no valor contábil por ação da Berkshire. Agora é hora de abandonar essa prática”, disse Buffett.

E AINDA: Warren Buffett: como transformar US$ 10.000 em US$ 51 milhões

Segundo ele, o valor contábil perdeu relevância porque a gigantesca carteira de investimentos de US$ 173 bilhões da Berkshire é uma fração dos ativos globais da empresa, que agora são ponderados para operar transações, liderados por seguros. Novas regras contábeis, ele argumentou, subestimam esses negócios operacionais. E o mais importante: a Berkshire espera recomprar uma tonelada de ações, provavelmente a preços bem acima do valor contábil. “A matemática de tais compras é simples: cada transação faz com que o valor intrínseco por ação suba, enquanto o valor contábil por papel cai. Essa combinação faz com que o scorecard de valor contábil fique cada vez mais fora da realidade econômica”, disse Buffett.

Um ponto não surpreendente foi a reiteração da crença de Buffett de que as compras fáceis do mercado pós-recessão desapareceram. Assim, a Berkshire não fez grandes aquisições em 2018, mas adquiriu US$ 43 bilhões em títulos públicos, principalmente da Apple.

Acompanhe a seguir os três pontos mais sutis dos lucros da Berkshires e da carta de acionistas que valem a pena ser mencionados:

Vendo a floresta de cima das árvores

Ninguém quer perder US$ 25 bilhões no período de 90 dias, especialmente Buffett. Mas é exatamente isso que a Berkshire informou em seus relatórios durante um trimestre, quando os mercados acionários dos EUA caíram em outubro e depois em dezembro. A carteira de investimentos da Berkshire foi reduzida em US$ 27 bilhões e registrou uma perda de US$ 3 bilhões relacionada à participação nos US$ 15,4 bilhões da Kraft Heinz, na qual é uma grande acionista. Essa queda de posição mais do que aniquilou US$ 5 bilhões em lucros operacionais, o que gerou uma perda trimestral de US$ 25 bilhões. Em 2018, a Berkshire perdeu US$ 17 bilhões em marcas de sua carteira de investimentos, embora praticamente todas elas estivessem no papel, logo, o lucro líquido total foi de apenas US$ 4 bilhões no ano, uma queda de 90%.

A perda, no entanto, pode percorrer um longo caminho para provar um ponto importante na carta do acionista. Buffett insistiu que os investidores olhassem para a totalidade dos ativos da Berkshire e a maneira vantajosa como estão alojados. O diretor executivo disse: “Os investidores que avaliam a Berkshire ficam, às vezes, obcecados com os detalhes de nossos muitos e diversos negócios – nossas “árvores” econômicas, por assim dizer. Análises desse tipo podem ser entorpecentes, já que possuímos uma vasta gama de espécimes. Algumas de nossas plantas estão doentes e, provavelmente, não estarão sãs em menos de uma década. Muitas outras estão destinadas a crescer em tamanho e beleza. Felizmente, não é necessário avaliar cada árvore individualmente Faça uma estimativa aproximada do valor intrínseco do negócio da Berkshire, porque nossa floresta contém cinco “bosques” de grande importância, e cada um deles pode ser avaliado, com razoável precisão, em sua totalidade.”

LEIA MAIS: Brasileira Stone espera atrair Warren Buffett em IPO

As perdas não realizadas podem provar o ponto. Existem poucas, se houver, entidades no planeta que poderiam suportar tais marcas descendentes. Na verdade, a Berkshire ainda viu seu caixa e valor contábil crescerem no ano. Aqueles que observam as árvores podem ficar obcecados com os resultados diários ou trimestrais do crescente portfólio de investimentos da companhia, ou ter dúvidas quando ações específicas, como as da Apple vacilam, mas o quadro maior é que sua carteira está abrigada em uma estrutura que pode suportar a volatilidade inerente do mercado. É uma das maiores vantagens de Buffett ter vencido o mercado ao longo de muitas décadas.

Recompra de ações e lucros retidos

Existem muitos exemplos de empresas que devem ser criticadas por recomprar suas ações a preços supervalorizados, por desperdiçar dinheiro ou simplesmente gastar o que não possuem. As dezenas de bilhões de dólares que bancos como Lehman, Bear, Goldman, Merrill, Morgan, Citigroup e BofA gastaram coletivamente para readquirir seus papéis em 2007 e 2008, quando o mercado imobiliário começou a abrir crateras, é um dos pecados imperdoáveis ​​da crise. Eles não tinham dinheiro para isso, mas usavam a estratégia para adiar o cálculo. Foi surpreendente a loucura dos maiores financistas de Wall Street quando cada uma destas instituições implodiu – ou teve que diluir suas ações durante os resgates.

Para as empresas que têm o dinheiro, no entanto, as recompras ainda podem ser eficazes. Buffett fez um bom trabalho mostrando isso por meio das participações da Berkshire na American Express. A companhia não negociou a Amex nos últimos oito anos, mas, como comprou de volta dezenas de bilhões em ações, sua participação passou de 12,6% para 17,9%. Como resultado, a parte da Berkshire no valor de US$ 6,9 bilhões que a Amex ganhou foi de cerca de US$ 1,2 bilhão, em teoria. “Quando os ganhos aumentam e as ações diminuem, os proprietários – com o tempo – geralmente se dão bem”, disse Buffett.

O que foi único nesta explicação é que o expert em investimentos não se debruçou sobre os preços das ações. A alegação teórica de US$ 1,2 bilhão da Berkshire sobre os lucros da Amex em 2018 é aproximadamente igual ao custo de US$ 1,3 bilhão pago por suas ações. O preço pelo qual as recompras ocorrem é importante, mas o elemento-chave é se as participações dos investidores estão aumentando em um negócio sustentável e lucrativo. No caso da Amex, os fundamentos da empresa ao longo do tempo provavelmente se mostraram mais expressivos para os ganhos da Berkshire do que o valor exato das recompras. As recompras falidas vêm com preços ruins, mas principalmente porque o negócio é ruim.

Quando a Berkshire investe, não é apenas em ações e grandes acordos

Um tema que merece mais estudo na Berkshire é como ela investe dinheiro em seus negócios operacionais. Essas divisões estão se tornando mais importantes, por isso não deve surpreender que o tamanho dos investimentos esteja crescendo. No ano passado, a companhia registrou quase US$ 10 bilhões em depreciação e amortização dos ativos de seus negócios operacionais e investiu US$ 14,5 bilhões em instalações, equipamentos e outros ativos fixos.

VEJA TAMBÉM: Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, tem prejuízo líquido de US$ 1,14 bilhão

“O custo de depreciação de US$ 8,4 bilhões da Berkshire subestima o nosso verdadeiro custo econômico. Na verdade, precisamos gastar mais do que essa quantia anualmente para, simplesmente, permanecer competitivos em nossas muitas operações. Além das despesas de “manutenção”, gastamos grandes somas na busca por crescimento. Em geral, a Berkshire investiu um recorde de US$ 14,5 bilhões no ano passado em instalações, equipamentos e outros ativos fixos, com 89% dos gastos concentrados na América.”

Esses gastos podem estar entre os retornos mais importantes e mais altos do conglomerado nos próximos anos. Por mais lucrativos que fossem os negócios operacionais da Berkshire em 2018, Buffett, Munger, Jain e Abel decidiram a favor do crescimento do investimento, mais de bilhões em lucros adicionais que poderiam ter registrado para impressionar os acionistas. Qual será o resultado do capex (despesas de capital) de crescimento da BNSF – uma das maiores companhias ferroviárias dos Estados Unidos – versus os cortes de gastos de muitos dos seus pares ferroviários ou da Berkshire Hathaway Energy? Não durmam com Jain e Abel como investidores – os negócios de propriedade da companhia geraram US$ 37,4 bilhões em fluxo de caixa operacional no ano passado.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).