A youtuber que fatura alto viajando o mundo

Reprodução
Ao mudar-se para a Islândia, a australiana foi aprovada em um concurso da ThirdHome para viajar pelo mundo

Resumo da matéria

  • Antes de ser YouTuber, Amore passou por várias carreiras;
  • Ao mudar-se para a Islândia, a australiana foi aprovada em um concurso da ThirdHome para viajar pelo mundo;
  • Amore afirma que o sucesso no YouTube depende da personalidade de cada um: a personalidade é um atributo mais importante que as suas habilidades;
  • Adepta de um estilo de vida sustentável, a blogueira de viagens mostra seu cotidiano sem o uso de materiais plásticos;
  • Ao faturar US$ 300 mil no ano passado, a menina pensou em uma maneira de fazer com que o lucro durasse para sempre;
  • Com centenas de milhares de fãs nas redes sociais, a youtuber Sorelle Amore construiu um império baseado na própria vida e viagens sustentáveis. Com suas habilidades fotográficas, ela faz vídeos em lugares remotos, defende uma postura minimalista e contra o desperdício, e ainda oferece dicas para a selfie perfeita;
  • O sucesso, no entanto, não veio de forma instantânea para a influenciadora digital. Nascida na Austrália, Amore passou por diferentes carreiras em seus vinte e poucos anos. Trabalhou com marketing, lançou a própria empresa de moda online e chegou até mesmo a colaborar em uma agência renomada de fotografia;
  • Mas nada disso combinava com seu estilo. Aos 27 anos, Amore comprou uma passagem só de ida para a Europa, se instalou na Islândia e deu início à carreira como YouTuber.

O caminho para influenciar

Uma vez na Islândia, Amore sentiu que havia tomado a decisão certa, apesar de se sentir um pouco assustada. Enquanto batalhava para sobreviver no país — considerado caro –, recebeu do irmão um e-mail sobre o concurso “Melhor Emprego do Planeta”, da ThirdHome. A um dia de expirar o prazo, trabalhou 24 horas seguidas no aplicativo, deu o seu melhor, e clicou no botão de envio.

LEIA MAIS: 10 YouTubers Mais Bem Pagos de 2018

Para a sua surpresa, se saiu vencedora.

Amore competiu com outros 17 mil digital influencers e foi a contratada para viajar o mundo por três meses, fazendo vídeos e fotografando casas luxuosas em doze diferentes países, com um salário de US$ 10 mil por mês.

Por fazê-la cruzar parte do globo, de Fiji para o Marrocos, depois para a República Dominicana, aquele trabalho parecia um sonho, mas tinha traços de pesadelo. Amore se lembra de ter passado dias inteiros em trânsito, voando tanto que nem teve a chance de entrar no fuso horário local. No final do passeio, teve a certeza de que adorava viajar, mas queria que seu canal no YouTube tivesse um outro foco.

“Não quero ser petulante do tipo ‘Eu amei esta padaria, veja'”, diz a millennial australiana, que decidiu se concentrar em tutoriais de fotografia e dicas de câmera, e acabou por construir uma marca baseada em instruções para uma selfie perfeita.

Com base em sua experiência como fotógrafa, Amore também dá dicas de roupas — como se vestir diante da câmera, de acordo com o tipo de corpo — e de como criar um feed atraente no Instagram. Tomando suas fotos de revistas como exemplos, ela explica por que algumas imagens parecem mais interessantes que outras.

A personalidade forte e a perspectiva positiva da australiana fizeram com que seus vídeos instrutivos ganhassem força na plataforma, alcançando 300 mil assinantes em apenas três meses.

Invadindo o YouTube

Se você quer começar carreira no youtube, a influenciadora de 30 anos aconselha a selecionar um nicho e pensar no que pode oferecer a ele. “Estamos em um momento diferente, em que a personalidade é o que vale. Você não precisa ter talento, a sua personalidade conta mais”, diz Amore, para quem a consistência também é fundamental.

Durante sua viagem de três meses pelo mundo, ela gravava vídeos durante o dia e editava à noite, além de tirar fotos dos lugares nos quais se hospedava. Embora tenha sido uma tarefa exaustiva, a australiana acredita que a sua disciplina a tenha ajudado a progredir.

“Você só precisa pegar a câmera todos os dias e fazer alguma coisa. A parte difícil é que o YouTube agora está em ascensão, e muitos estão aderindo à plataforma”, afirma Amore, ativa na plataforma há dois anos.

Sobre ser minimalista

Enquanto viajava, Amore passou a viver com uma única mala. Nos dois anos seguintes, persistiu no estilo de vida nômade e teve a certeza de que possuir menos a deixava mais livre — e foi assim que o seu minimalismo nasceu.

Ao defender estilos de vida mais sustentáveis, Amore enfatiza que minimalismo não é sinônimo de privação. Ela, que agora reside em um apartamento na cidade de Melbourne, Austrália, o decora com muitas plantas — que a fazem feliz. O segredo, diz, é escolher algo que você ama, em vez de despender tempo e dinheiro comprando milhares de coisas.

Combatente do desperdício

Depois de adotar o minimalismo, Amore também se interessou por uma vida livre de plástico. Ao fazer vídeos sobre o assunto, ela compartilha com os seguidores algumas das dificuldades diárias que enfrenta ao tentar evitar o material.

Por exemplo: os obstáculos para encontrar embalagens que não sejam plásticas, onde possa guardar suas castanhas.

SAIBA TAMBÉM: Youtuber de 6 anos lança linha de brinquedos no Walmart

Como ser relevante

Embora tenha se inserido e se destacado com facilidade no YouTube, Amore considera a plataforma um lugar potencialmente tóxico — sobretudo se a renda varia muito de um mês a outro.

A australiana recomenda se associar a uma empresa, como uma assessoria de imprensa, para que sua marca e seu valor não sejam determinados apenas pelo YouTube. A influenciadora, hoje também uma empresária, faturou mais de US$ 300 mil no ano passado, entre os próprios empreendimentos (60%) e patrocínios (35%). Apenas 5% de seus ganhos vêm do YouTube.

“Sou super exigente com quem eu me relaciono, e agora já posso cobrar taxas mais altas por certas relações”, diz Amore, que trabalha com apenas quatro ou cinco empresas.

Reinvestir em si mesmo

Ao falar sobre seus ganhos, Amore afirma que no começo, embora se sentisse orgulhosa, era estranho dizer “US$ 300 mil” em voz alta. “Era uma surpresa ver que fazer aquilo que a gente ama pode realmente gerar dinheiro”, diz. “É a primeira vez na vida que estou financeiramente estável.”

Dada a natureza inconstante das plataformas de mídia social, ela sabe que seus ganhos podem não durar para sempre, logo, ela é cuidadosa ao gastar dinheiro. “Eu não almejo carros ou roupas estilosas. Eu invisto na minha educação ou no meu próprio negócio”, afirma a australiana, que também conta com lucro líquido em em imóveis, ouro e prata.

“Estou no ápice da minha vida. Preciso fazer com que essa renda dure para sempre. Algumas pessoas pensam que as coisas duram uma eternidade, sem perceber que tudo pode ser apenas 15 minutinhos de fama.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Forbes no Facebook: http://fb.com/forbesbrasil
Forbes no Twitter: http://twitter.com/forbesbr
Forbes no Instagram: http://instagram.com/forbesbr

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).