3 tendências para o setor de restaurantes em 2019

Thomas Barwick/Getty Images
Estabelecimentos têm se tornado cada vez mais receptivos às novas tecnologias

Resumo:

  • A “Skift Table” publica o relatório anual “Restaurant Megatrends”, que cobre regularmente a evolução dos negócios do setor de restaurantes;
  • Fast casual, tecnologia e inteligência artificial são algumas das principais tendências para o setor de restaurantes em 2019.

Kristen Hawley, editora sênior do site “Skift Table”, passa seus dias analisando notícias e tendências do setor de restaurantes. De novas tecnologias ao modelo fast casual, ela vê muitas novidades para 2019.

LEIA MAIS: FORBES elege os melhores restaurantes de NY em 2018

O “Skift Table” publica, anualmente, o relatório “Restaurant Megatrends”, que cobre a evolução do negócio desses estabelecimentos. Veja, na galeria de fotos a seguir, algumas de suas opiniões e previsões:

  • Tecnologia em ascensão

    De serviços de entrega de comida a robôs em restaurantes, “todo mundo luta para implementar soluções de tecnologia e escolher fornecedores que serão parceiros de longo prazo para os negócios”.

    “Isso pode significar modelos de negócios novos e criativos, como telas de serviço no balcão e pedidos personalizados. Ou mais conceitos de entregas, com estabelecimentos que atendem às necessidades dos clientes com base em dados”, diz Kristen.

    Também haverá uma grande aplicação da inteligência artificial (IA). A jornalista acredita que o recurso mais interessante do recurso é a tecnologia preditiva. “O McDonald’s investiu US$ 300 milhões em uma aquisição para melhorar sua experiência personalizada – começando pelo drive-thru”, conta. “Isso não será caracterizado em níveis individuais, mas pode ser influenciado por itens como o clima, a hora do dia e até mesmo os padrões de tráfego. Esse tipo de aprendizado de máquina é poderoso, já que é capaz de prever o que um cliente pode querer e vender algo que ele nem percebeu que queria, como uma bebida gelada em um dia quente.

  • O modelo fast casual continuará fazendo sucesso

    Com o aumento dos custos de mão de obra e alimentos, esse modelo de restaurantes – no qual os clientes fazem pedidos no caixa – tem muitas vantagens. Kristen diz que essa configuração de negócio pode ajudar a cortar custos, além de ser especialmente útil em cidades como São Francisco, onde os restaurantes parecem não conseguir contratar o número suficiente de funcionários.

    O apelo do modelo de restaurantes fast casual não é limitado a áreas urbanas. “Eu acho que a sua popularidade mudou fundamentalmente a maneira como as pessoas comem em restaurantes”, diz Kristen, acrescentando que, embora seja um bom modelo para os clientes com pressa, também oferece algo que eles apreciam: comida de qualidade, preço baixo e design moderno. “Eu moro na cidade, então raramente uso um drive-thru, mas estou curiosa para saber se o fast casual começará a adotá-lo como uma parte importante dos negócios, semelhante ao delivery, ou se trabalhará para se distinguir, ao oferecer uma experiência superior no restaurante quando comparada a algumas cadeias de fast food.”

    Muitas das redes de fast casual mais bem-sucedidas, como Souvla e Little Gem, em São Francisco, também servem vinho e cerveja. “O fato de muitas delas servirem álcool já é um benefício para o negócio, certo? Você já foi no Taco Bell Cantina? Esse formato basicamente existe para impulsionar as vendas de bebidas”, acrescenta ela.

  • Mudança de cenário

    O cenário dos locais de refeições mudou drasticamente na última década. “Dez anos parecem uma vida inteira para os restaurantes e a tecnologia. Há uma década, o Instagram não existia, o Twitter não suportava fotos e as redes sociais não eram uma maneira de falar diretamente com os clientes”, observa Kristen.

    Todas essas ferramentas “transformaram completamente a forma como os restaurantes se vendem. Nos últimos cinco anos, eles têm se tornado cada vez mais receptivos à nova tecnologia e a estão integrando de maneiras que fazem sentido”.

    Alguns exemplos são a Square, para pagamentos móveis, ou o Toast, um aplicativo para atendimento em restaurantes. A maioria dos sistemas de reservas foi transferida para a nuvem, o que deu maior controle aos gerentes. “E há muita concorrência no espaço tecnológico, o que significa que a mudança está acontecendo muito rapidamente. É um momento emocionante.”

Tecnologia em ascensão

De serviços de entrega de comida a robôs em restaurantes, “todo mundo luta para implementar soluções de tecnologia e escolher fornecedores que serão parceiros de longo prazo para os negócios”.

“Isso pode significar modelos de negócios novos e criativos, como telas de serviço no balcão e pedidos personalizados. Ou mais conceitos de entregas, com estabelecimentos que atendem às necessidades dos clientes com base em dados”, diz Kristen.

Também haverá uma grande aplicação da inteligência artificial (IA). A jornalista acredita que o recurso mais interessante do recurso é a tecnologia preditiva. “O McDonald’s investiu US$ 300 milhões em uma aquisição para melhorar sua experiência personalizada – começando pelo drive-thru”, conta. “Isso não será caracterizado em níveis individuais, mas pode ser influenciado por itens como o clima, a hora do dia e até mesmo os padrões de tráfego. Esse tipo de aprendizado de máquina é poderoso, já que é capaz de prever o que um cliente pode querer e vender algo que ele nem percebeu que queria, como uma bebida gelada em um dia quente.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).