5 startups que promovem uma alimentação sem carne

KarpenkovDenis/Getty Images
Empresas apresentam propostas inovadoras e sustentáveis para a nutrição

Resumo:

  • O setor de alimentos vegetariano e vegano tem crescido muito nos últimos tempos;
  • A organização internacional de conscientização sobre alimentos Proveg abriga um programa de incubadora para apoiar startups emergentes com o objetivo de reduzir o consumo de carne;
  • As empresas ClearMeat, MushLabs, LegenDairy Foods, Greenwise e Better Nature apresentam propostas inovadoras e sustentáveis para a alimentação.

Não há como negar que o segmento de alimentos vegetariano e vegano está crescendo a passos largos. Todos os dias há notícias de uma cadeia renomada de fast-food lançando uma alternativa sem carne ou um conglomerado de alimentos investindo em opções baseadas em vegetais.

LEIA MAIS: 15 países que mais consomem carne no mundo

A organização internacional de conscientização sobre alimentos Proveg, que tem sido importante para disseminar as dietas livres de produtos de origem animal, abriga um programa de incubadoras que apoia startups inovadoras emergentes com o objetivo de reduzir o consumo de carne.

Veja, a seguir, 5 startups empenhadas em promover uma alimentação sem carne:

1. ClearMeat

O primeiro produto de carne cultivado em laboratório pode ter sido um hambúrguer, mas o campo das alternativas artificiais cresceu muito desde 2013, quando Mark Prost e sua equipe apresentaram o bolo de carne de US$ 300 mil. Esse tipo do alimento não é novidade, mas isso não significa que não surgirão inovações nesse meio.

A startup ClearMeat, da Índia, fez parte da primeira leva da incubadora de startups da ProVeg. A empresa está a caminho de produzir a primeira carne de frango de laboratório do mundo e se especializar em produtos como o frango tandoori e o tikka masala. O objetivo é fornecer alternativas de carne sustentáveis, saudáveis ​​e acessíveis para uma população em crescimento.

2. MushLabs

Os cogumelos são fáceis de cozinhar, deliciosos e têm uma grande variedade, todas elas igualmente saborosas. A MushLabs está usando a magia desses ingredientes com uma produção sustentável de uma maneira engenhosa. Você pode estar pensando em cogumelos portobello no lugar do hambúrguer ou picados, mas, em vez disso, a MushLabs aproveita as raízes e as usa na fermentação para produzir um alimento rico em proteínas, fibras e micronutrientes.

O processo de produção utiliza sistemas verticais que reduzem as necessidades de terra e água, o que torna o impacto ambiental negativo das proteínas MushLabs comparativamente menor do que o de animais e até de plantas. A empresa pode, em breve, ser a resposta para as perguntas que os veganos mais ouvem: “Mas de onde você obtém sua proteína?”.

VEJA TAMBÉM: Os 50 melhores restaurantes para vegetarianos

3) LegenDairy Foods

Muitas pessoas, em diversos laboratórios, estão na jornada para produzir carne sem o abate e a agricultura intensiva de animais, mas a indústria de criação não acaba assim. Embora os leites vegetais estejam em ascensão, mesmo com os consumidores não-veganos, os laticínios ainda fazem parte da maioria da dieta das pessoas. A LegenDairy Foods tem como objetivo fornecer leite, mas sem as consequências ambientais e éticas. Por meio de um processo de fermentação, a empresa transforma microrganismos e açúcar em proteína do leite e, depois, em produtos lácteos. É leite, mas não fornecido pelas vacas. O queijo parece ser a única coisa que as pessoas sentem que não conseguem largar quando o assunto é se tornar vegano. O queijo sem vacas parece ser a solução perfeita para isso.

4. Greenwise

A Greenwise produz alternativas de carne à base de vegetais, nos formatos tradicional e seco, estruturalmente quase idênticas ao alimento original. Parecem, têm o gosto e a textura da carne. Das cinco empresas, a Greenwise é a única de quem eu consegui provar os produtos. Sua carne à base de vegetais em forma seca pode ser cozinhada de todas as maneiras que puder imaginar. Ela absorve o sabor do ingrediente que for cozinhado junto, seja um caldo ou um molho.

A empresa está abrindo caminho em um meio relativamente subdesenvolvido da produção de carne baseada em vegetais. Um segmento que está crescendo rapidamente e que conta com empresas como a Beyond Burger, que decolou em termos de mídia e atenção do consumidor. Ou seja, produzir carne vegetariana para os consumidores de carne animal. Os produtos da companhia são feitos para substituir a carne sem comprometer o sabor ou a textura. Eles apelam para uma base de consumidores que cresce rapidamente, com pessoas ambientalmente ou eticamente conscientes e que querem reduzir seu impacto, mas não estão prontas para abandonar a carne.

5. Better Nature

Eu descobri o tempeh como uma deliciosa fonte de proteína ao me mudar para a Holanda. O alimento consiste de soja (embora também possa ser feito de outros grãos) e é produzido a partir da fermentação de grãos cozidos em um formato semelhante a um bolo. É uma rica fonte de vitamina B12 (tradicionalmente em falta nas pessoas, inclusive naquelas que comem carne), proteínas e fibras alimentares. O tempeh é originário da Indonésia e é um alimento básico na culinária do sudeste asiático, por isso, graças a grande comunidade na Holanda, é muito fácil de encontrá-lo no país. No entanto, fiquei surpreso ao saber que não é nada comum ou conhecido em outras partes do mundo, mesmo as mais cosmopolitas.

A Better Nature quer mudar isso e ser a responsável por tornar o tempeh popular. A empresa está aplicando métodos científicos contemporâneos para torná-lo ainda mais saboroso e rico em proteínas e vitamina B12. O resultado é um produto acessível e nutritivo que é, ao mesmo tempo, muito melhor para o nosso planeta em comparação com os seus homólogos de animais.


Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).