Prepare-se para a próxima bolha do bitcoin

Getty Images/Reprodução Forbes
A imprevisibilidade do bitcoin leva às chamadas “bolhas”

Resumo:

  • As grandes altas e desastrosas baixas do bitcoin fazem deste um mercado imprevisível;
  • Grandes investidores ousam e apostam nas bolhas para lucrar a longo prazo;
  • Apple e Amazon são exemplos de que investimentos que vão contra as tendências do mercado podem valer a pena.

O bitcoin (BTC) é um mercado louco. E o problema com os mercados é que eles fazem todo o sentido quando olhamos para o passado, mas nenhum sentido quando tentamos prever o futuro.

LEIA MAIS: Preços futuros do bitcoin saltam

Um cínico diria que alguém como eu, que atua bem no mercado, não tem sucesso porque consegue adiantar o futuro, mas sim porque corre riscos consideráveis em um cenário que vai para um só lado. Uma grande aposta em um mercado em alta valerá a pena. Maior risco também significa retornos maiores, mas esse resultado raramente acontece de caso pensado, então é difícil alegar experiência.

A aleatoriedade geral do mercado e uma direção benéfica são a razão para a maioria dos lucros, por isso acompanhar o índice dos ETFs (fundos de investimento negociados em bolsa) é tão irritantemente difícil, até para “consultores financeiros” profissionais.

Do lado mais calmo dos investimentos, isso não é um problema. Comprar e segurar ações é o suficiente em muitos casos. Mas quando se trata de mercados imprevisíveis, acertar se torna um caso de ganhar muito ou ser morto.

E esse é o problema com o bitcoin. A criptomoeda não morreu depois da “bolha” – quando um ativo é negociado a valores muito altos e depois estoura, ou seja, seu preço cai drasticamente. Ela voltou, está forte, o mercado amadureceu e o céu ainda é o limite.

VEJA TAMBÉM: Bitcoin pode ‘ressuscitar’ por US$ 20 mil até 2020

Você pode olhar para a Apple, Amazon ou bitcoin e ver altas incríveis – altas que transformam milhares em milhões. Qualquer um que comprou milhares de dólares em ações de qualquer uma das duas empresas quando estavam em baixa teria, agora, uma quantia de dinheiro capaz de mudar sua vida. Mas essas pessoas teriam que ter feito algo a mais para conseguir esses lucros. Elas precisariam ter esquecido que tinham essas ações. Por que esquecer? Porque é quase humanamente impossível segurar ações em alta desse jeito. A baixa da Apple antes de sua rejuvenescida foi de, aproximadamente, US$ 0,50 depois de ajustes. A maioria dos investidores teria começado a ficar inquieta com lucros de 100%. Imagine então com 1.000%… Como alguém que transformou US$ 10 mil em US$ 1 milhão se sente em relação a lucros de 10.000% em um dia de mercado volátil? Se esse US$ 1 milhão fosse boa parte do capital dessa pessoa, seria inquietante mesmo se as ações da Apple estivessem a apenas US$ 50.

Essas situações são raras, mas acontecem. E se há um ativo que vai seguir essa trajetória, esse ativo é o bitcoin. Para investidores em ações, lucros de 100% são motivos de celebração e venda, e é assim que eu me sinto em relação ao bitcoin. Meus indicadores apontam para níveis futuros que não fazem sentido para um investidor tradicional.

Só um louco seguraria ações da Apple que vão de US$ 0,50 a US$ 200. Se eles não fossem loucos, as movimentações ao redor de cifras tão altas os enlouqueceria.

Então, se eu estiver certo em relação à direção do mercado, terei fortes impulsos para seguir os investidores tradicionais e vender meus papéis. Por isso, preciso de um plano.

VEJA TAMBÉM: Conheça o homem que vigia o mercado de criptomoedas

Você pode até tentar fazer os preços subirem de vários jeitos, mas nenhum fará muito sentido. O problema com mercados imprevisíveis é que eles simplesmente não fazem sentido. A Apple e a Amazon não faziam sentido para Warren Buffett, investidor e filantropo, até começarem a crescer centenas de vezes. Mas, como estamos tentando surfar uma onda gigante desde o início dela e segurar firme mesmo com todo o risco, anos intermináveis de medo, incertezas e vontade de receber os lucros, não podemos fazer julgamentos de curto prazo.

Temos que dar ao mercado tempo para se desenvolver, ao invés de tentar microgerenciar nossa posição. Idealmente, eu esqueceria as minhas ações e só olharia para elas novamente depois de cinco anos. Como isso é difícil, a opção é ter uma versão mais refinada do cenário. Por isso, resolvi vender minhas “bolhas” e comprar todos os “estouros”. Acredito que sabemos quando nos deparamos com uma “bolha” ou com um “estouro” – é só olhar para a Nasdaq ou para o bitcoin e apreciar suas performances.

Se o bitcoin não tiver outra bolha, nós apenas esperaremos. Se nenhum outro movimento radical acontecer, nós seguraremos nossas ações. Se sofrer uma correção severa, mas não quebrar (por “quebrar” entenda-se cair mais para menos da metade de seu valor), nós compramos um pouco mais. Se quebrar, compramos ainda mais.

Quando vendemos de vez? Quando o bitcoin se tornar algo do dia a dia.

Para onde ele vai esse ano? Eu acredito que se aproxime dos US$ 15 mil com uma pequena chance de atingir uma nova alta significativa.

Na minha opinião, o problema este ano será segurar meus ativos caso os preços do bitcoin sigam o curso que eu acho que seguirão, ou seja, alcançar os seis dígitos. É uma expectativa louca, mas o mercado é louco também.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).