Como Jay-Z conquistou seu primeiro bilhão de dólares

Kevin Mazur/GettyImages
Jay-Z foi traficante antes de se tornar músico, ter sua própria gravadora, Roc-A-Fella Records, e se lançar em 1996 com o disco “Reasonable Doubt”

Resumo:

  • Jay-Z arrancou elogios do megainvestidor Warren Buffett após almoço no tradicional Hollywood Diner;
  • Músico foi traficante antes de ter sua própria gravadora e se lançar como artista com o álbum “Reasonable Doubt”, em 1996;
  • No meio musical, o rapper acumula 14 álbuns no topo, 22 Grammys e mais de meio milhão de dólares em ganhos, sem contabilizar impostos;
  • O rapper apareceu pela primeira vez na lista Fortune 400 da Forbes em 2010;
  • Investimentos de Jay-Z envolvem marcas de bebidas alcoólicas, obras de arte, imóveis e participação em empresas como a Uber.

Nove anos atrás, dois improváveis ​​parceiros de almoço se sentaram no Hollywood Diner, em Omaha, Nebraska (EUA). Um deles, Warren Buffett, era figurinha carimbada por lá. O outro, Jay-Z, era novidade. O bilionário e o rapper pediram shakes de morango e conversaram amigavelmente. A a conversa, então, estendeu-se para o escritório de Buffett na Berkshire Hathaway.

VEJA TAMBÉM: 20 maiores bilionários do mundo em 2019

Buffett, então com 80 anos, foi embora impressionado com o artista 40 anos mais novo que ele: “Jay tem ensinado muito mais pessoas do que algum dia eu pude. Para um jovem em desenvolvimento, ele é o modelo que deve servir de inspiração”. Esse momento, que foi originalmente percebido com o ranking Forbes 400, de 2010, deixou claro que Jay-Z já tinha um projeto para sua própria fortuna de dez dígitos. “O hip-hop desde o começo sempre foi aspiracional”, disse ele.

Menos de uma década depois, fica claro que Jay-Z acumulou uma fortuna que, conservadoramente, totaliza US$ 1 bilhão, o que o torna um dos poucos artistas a virar bilionário, e o primeiro do meio do hip hop a fazê-lo. O reino em expansão de Jay-Z abrange bebidas alcoólicas, arte, imóveis (casas em Los Angeles, nos Hamptons e em Tribeca) e participações em empresas como a Uber.

Sua jornada impressiona desde o início, com os notórios projetos habitacionais Marcy, no Brooklyn. Ele foi traficante antes de se tornar músico, ter sua própria gravadora, Roc-A-Fella Records, e se lançar em 1996 com o disco “Reasonable Doubt”. Desde a estreia de Jay-Z na vida artística, ele acumulou 14 álbuns no topo das paradas, 22 prêmios Grammy e mais de US$ 500 milhões em ganhos, sem contabilizar impostos, no período de uma década.

Jay-Z logo percebeu que deveria construir suas próprias marcas, em vez de promover as outras: a linha de roupas Rocawear, fundada em 1999 (vendida por US$ 204 milhões à Iconix, em 2007); o D’Ussé, um conhaque de copropriedade com a Bacardi; e o Tidal, um serviço de streaming de música.

E AINDA: Usher e Jay-Z investem US$ 8 mi em startup de catering

Kasseem “Swizz Beatz” Dean, o superprodutor por trás de alguns dos maiores sucessos de Jay-Z (“On To The Next One” e “Upgrade U”, de Beyoncé), olha para Jay-Z como alguém que pode funcionar como um exemplo: “É muito maior que o hip-hop… é um modelo para a nossa cultura. Um cara que se parece conosco, que soa ser como nós, ama seu público e que levou tudo isso a algo que sempre sentimos que estava acima de nós”.

“Se ele já é bilionário agora, imagine o que está prestes a vir a ser”, diz Swizz Beatz. “Ele está apenas no começo.”

Quanto vale a fortuna de Jay-Z?

Para calcular seu patrimônio líquido, analisamos as participações do artista em empresas como o champanhe Armand de Brignac (com a aplicação de nossas deduções preestabelecidas a empresas privadas), somamos sua renda e subtraímos uma quantia equivalente ao estilo de vida do superstar. Verificamos nossos números com uma lista de especialistas externos para garantir que essas estimativas fossem justas e conservadoras. Jay-Z realmente é um negócio.

Veja, na galeria de fotos a seguir, como Jay-Z conquistou sua fortuna de US$ 1 bilhão:

  • Armand de Brignac

    US$ 310 milhões

    Jay-Z usou sua música para lançar as garrafas de ouro de 300 dólares do champanhe Ace of Spades, assim como usou o videoclipe de “Show Me What You Got” para apresentar a marca, em 2006. Mais recentemente, seu verso em “What’s Free”, de Meek Mill, adicionou um valor de meio bilhão de dólares ao vinho, o que parece um tanto quanto exagerado.

  • Capital e investimentos

    US$ 220 milhões

    Um vasto portfólio de investimentos inclui uma participação na Uber, estimada em US$ 70 milhões. O artista adquiriu sua fatia US$ 2 milhões, em 2013, e depois ofereceu mais US$ 5 milhões para o fundador, Travis Kalanick, na tentativa de aumentar sua participação na empresa, mas a proposta foi rejeitada.

  • D’Ussé

    US$ 100 milhões

    O conhaque de Jay-Z, uma joint venture com a gigante de bebidas Bacardi, movimenta em torno de 200 mil unidades e apresenta crescimento de quase 80% ao ano. “Jay-Z influencia consumidores que são atraídos pelo estilo de vida ultrapremium”, diz Eric Schmidt, diretor de pesquisa da Beverage Marketing Corp.

  • Tidal

    US$ 100 milhões

    Em 2015, Jay-Z fez uma oferta para comprar a empresa controladora do serviço de streaming escandinavo por US$ 60 milhões. Ele relançou a Tidal no final daquele ano, com uma lista de investidores famosos, incluindo sua esposa, Beyoncé, e outras personalidades da música, como Kanye West a Calvin Harris.

  • Roc Nation

    US$ 75 milhões

    A empresa de entretenimento começou há mais de uma década como parte de uma joint venture com a gigante dos shows Live Nation. A Roc Nation representa algumas das principais estrelas do esporte (Kevin Durant, Todd Gurley), por meio de sua agência esportiva, bem como sua gravadora e recursos de gerenciamento de artistas (Rihanna, J. Cole).

  • Catálogo musical

    US$ 75 milhões

    Antes do início de seu período como chefe da Def Jam, em 2004, Jay-Z negociou o eventual retorno dos trabalhos na gravadora que ajudou a lançar sua carreira. Em um acordo separado com a EMI, o artista recuperou os direitos de publicação, e seus hits agora chegam perto de 1 bilhão de streams anualmente.

  • Coleção de arte

    US$ 70 milhões

    Na música “Picasso Baby”, Jay-Z se gaba de ter um Basquiat na sua cozinha. Ele provavelmente não está brincando. Por mais de uma década, o artista tem adquirido obras-primas como “Meca”, de Basquiat, comprada em 2013 por US$ 4,5 milhões. “Ele descreve tudo na música, em detalhes”, diz Fab 5 Freddy, amigo do falecido pintor. “Jay-Z ajudou a educar milhões de fãs do hip-hop, ao mencionar Jean-Michel”, completa.

  • Imóveis

    US$ 50 milhões

    Depois de conceber seus filhos gêmeos, em 2017, para combinar com a dupla, Jay-Z e Beyoncé adquiriram duas propriedades: uma mansão de US$ 26 milhões, em East Hampton, e uma propriedade de US$ 88 milhões, em Bel Air. Jay-Z também é dono de uma cobertura em Tribeca, arrematada por US$ 6,85 milhões, em 2004.

Armand de Brignac

US$ 310 milhões

Jay-Z usou sua música para lançar as garrafas de ouro de 300 dólares do champanhe Ace of Spades, assim como usou o videoclipe de “Show Me What You Got” para apresentar a marca, em 2006. Mais recentemente, seu verso em “What’s Free”, de Meek Mill, adicionou um valor de meio bilhão de dólares ao vinho, o que parece um tanto quanto exagerado.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).