Startup usa bactérias para despoluir águas em Brumadinho

Getty Images
Rio Paraopepa dois dias depois do acidente em Brumadinho

A O2eco, de São José dos Campos (SP), usou seu know-how para ajudar as vítimas da tragédia do rompimento da barragem de rejeitos de minério da Vale em Brumadinho (MG). A tecnologia da empresa ajudou na limpeza das águas próximas ao local do desastre, diminuindo os impactos devastadores do desastre para moradores e para a fauna da região.

LEIA MAIS: Vale tem prejuízo de US$ 1,64 bilhão com Brumadinho

O processo utiliza uma placa de cera contendo nanominerais e oligoelementos que estimula a proliferação de bactérias benéficas que consomem a matéria orgânica e inorgânica dentro da água. Não há inserção de produtos químicos ou geração de nenhum grau de toxicidade no corpo hídrico tratado com a tecnologia, explica Luís Fernando Magalhães, um dos sócio da O2eco. “Com o uso da tecnologia, a produção de bactérias pode crescer de 8 mil vezes para 10 milhões de vezes a cada dez horas, o que faz com que o consumo de materiais orgânicos e inorgânicos seja mais rápido”, diz.

A tecnologia veio da Austrália, onde Magalhães morou por 14 anos, e já havia sido empregada com a mesma finalidade após o desastre ambiental de Mariana, em 2015. A O2eco também fornece o sistema para tratar efluentes de segmentos do agronegócio, como aquicultura e fábricas de laticínios.

Reportagem publicada na edição 66, lançada em março de 2019

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).