A volatilidade da criptoeconomia pode ser positiva?

Getty Images / Nipitpon Sngad
O blockchain está em alta independente das movimentações do cripto mercado

Resumo:

  • O valor do criptomercado segue em alta, e sua volatilidade também;
  • Diversos analistas enxergam essa característica como algo ruim, mas essa imprevisibilidade pode atrair investidores de risco;
  • Independentemente da volatilidade, cada vez mais programadores estão usando a tecnologia do blockchain.

As criptomoedas continuam a subir, e o valor do cripto mercado agora é US$ 242,4 bilhões, uma alta de mais de 91% desde o começo de 2019, de acordo com o CoinMarketCap, site especializado em análises do cripto mercado.

LEIA MAIS: Para onde vai o preço do bitcoin?

É impossível dizer onde esse número estará no momento em que essa reportagem for publicada, mas acredito que seguirá essa tendência. No entanto, pessoas a favor e contra a criptoeconomia concordam que o mercado é volátil.

Céticos vêem a volatilidade como um sinal de perigo e como o motivo pelo qual criptomoedas, ou o blockchain, ainda não são disruptivas como o esperado. É prova de que a tecnologia é muito arriscada para conter commodities de verdade e ter qualquer valor.

No entanto, existe o outro lado da situação, daqueles que enxergam a volatilidade como algo bom. No livro “The Age of Cryptocurrency” (“Na Era da Criptomoeda”, em tradução livre), de Paul Vigna e Michael J. Casey, os autores resumem um argumento do analista Gil Luria, dizendo que “volatilidade é algo bom, se ela traz negociantes e busca de lucros para o mercado. A presença deles encoraja o desenvolvimento de trocas sofisticadas e mecanismos mais confiáveis.”

A segunda parte desse argumento é a mais promissora para a criptoeconomia e o blockchain: volatilidade em uma indústria é o número de tecnologias inovadoras desenvolvidas na história.

Por exemplo, práticas tecnológicas e métodos no cuidado da saúde ajudaram a diminuir os níveis de mortalidade. A internet e a tecnologia, com a ajuda da world wide web, plataformas e aplicativos nos trouxeram aonde estamos hoje. No começo dos anos 1990, a internet parecia o oeste selvagem, mas ela se tornou muito mais segura e agora é confiável o suficiente para a realização de transações bancárias, compra e venda de basicamente qualquer coisa e até para a busca pelo amor da sua vida. Mudanças não acontecem do dia para a noite. Anos se passaram até o telefone passar de um quarto da casa para o bolso. Agora, os telefones avançam tão rapidamente que um modelo se torna antigo em menos de um ano.

VEJA TAMBÉM: A reviravolta na opinião do CEO da Ripple, da criptomoeda XRP, sobre o bitcoin

Como qualquer indústria em desenvolvimento, crescimento significativo leva tempo e dinheiro. De acordo com o “Bitcoinist”, site de notícias sobre a criptomoeda, 92% dos projetos de blockchain falham e tem uma estimativa de vida de 1,22 ano. No entanto, investimentos do mundo inteiro continuam a subir, com mais de US$ 1,3 bilhão investidos em projetos de blockchain em 2018, de acordo com o “TechCrunch”, site focado em notícias sobre tecnologia. É verdade que pessoas estão perdendo dinheiro, não apenas por conta de projetos falidos mas também por erros no código que custaram milhões de dólares. Claro, a volatilidade do mercado leva a perdas. Porém, por causa dessa volatilidade, pessoas também estão ganhando dinheiro. Mais e mais companhias estão aceitando criptomoedas como pagamento (por exemplo Overstock, Expedia e Subway.)

Esse fluxo contínuo de dinheiro atrai algumas pessoas muito inteligentes e que fazem o blockchain funcionar como prometido. Minha própria companhia acabou de trazer como líder de pesquisa um dos principais pesquisadores em linguagem de programação e verificação em aplicação de protocolos criptográficos, dr. Jay McCarthy.

O fundador do sistema de criptografia Algorand, Silvio Micali, é um importante membro docente do Massachussetts Institute of Technology (MIT) e inventou parte da tecnologia usada no blockchain atualmente. Ele também é pioneiro em criptografia e um prestigiado ganhador do prêmio Turing -reconhecimento anual dado a indivíduos por contribuições de “grande e duradoura importância técnica na área da computação” pela sociedade científica Association for Computing Machinery (em português, Associação para Maquinaria da Computação).

Quando pessoas como Micali e McCarthy se juntaram a esse movimento, mudanças começaram a acontecer exponencialmente. Na verdade, o Algorand lançou seu Testnet (blockchain alternativa do bitcoin) em abril, com milhares de pessoas já participando do Testnet privado.

Dinheiro combinado a pessoas inteligentes trabalhando significa que a tecnologia será impulsionada rapidamente, e seu desenvolvimento será rápido. A comunidade blockchain está crescendo, não somente dos interessados em usar a tecnologia, mas principalmente daqueles que conseguem desenvolver aplicativos descentralizados (DApps) funcionais e práticos.

VEJA TAMBÉM: Sete países onde as criptomoedas não são tributadas

Quais benefícios do DApp na comparação com aplicativos tradicionais? Embora existam muitos, os dois principais são: a inexistência de um único ponto de falha e sua imutabilidade.

Não ter um único ponto de falha é o que faz do blockchain virtualmente impossível de se hackear, porque nenhuma entidade sabe como operar o aplicativo. Se um node, ou aparelho, na rede de blockchain é hackeado, informações são mantidas em outros locais da rede. Atacar 51% de um DApp – o necessário para derrubá-lo – custa mais dinheiro do que os lucros da operação em si.

Já a imutabilidade, um dos principais benefícios do blockchain, é o que dificulta a criação de aplicativos para aqueles sem muita experiência em criptografia ou desenvolvimento de blockchain (ou sej, menos de 6% dos programadores do mundo). Significa que os DApps não podem ser modificados uma vez que lançados. Isso é muito benéfico para segurança e transparência, mas quando é necessário consertar uma falha que custa bens valiosos ou dinheiro aos usuários, ela deve ser reparada em todas as cópias da rede em questão, o que é desanimador.

Mas um mercado em expansão e, sim, volátil vai mudar isso. Muitas companhias estão criando jeitos mais fáceis e otimizados para programadores melhorarem seu aplicativos usando o blockchain. Protocolos que ajudam o desenvolvimento de aplicativos estão sendo criados, usando módulos e criando blocos de blockchain para que esses programadores possam focar em elaborar seus produtos para o mercado em vez de criá-los para se encaixarem na tecnologia do blockchain. Esses programadores estão usando o que o blockchain tem a oferecer, enquanto se certificam de que o software não tem vírus ou falhas, evitando a perda de bens quando o DApp está no ar.

Acredito que o crescimento continuará enquanto o mercado melhorar a facilidade de uso e as maneiras de introduzir mais usuários à tecnologia. O fato de o segmento não crescer tão rápido não significa que será um fracasso. Expansão de fundos, projetos de sucesso, experts na área e o interesse dos programadores apontam para o sucesso.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook

Twitter

Instagram

YouTube

Baixe o app de Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).