Ana Paula Bógus: “Sozinhas não vamos conseguir nada”

Luciana Prezia
General manager da Kimberly-Clark Professional Brasil fala sobre o cenário de mulheres CEOs no Brasil

Uma das Mulheres Mais Poderosas do Brasil em 2019, Ana Paula Bógus, general manager da Kimberly-Clark Professional Brasil, fala sobre sua trajetória profissional e diz que o cenário de mulheres CEOs no Brasil ainda é pequeno e que espera que ele mude em um futuro próximo. Também afirma que uma líder mulher ajuda muito no estímulo a outras mulheres crescerem dentro da empresa. E diz ser crítica a algumas abordagens do feminismo, pois “sozinhas não vamos conseguir nada”. Para ela, é preciso a participação dos homens para a inclusão de todas as mulheres no mercado.

Filha de um industrial descendente de libaneses e de uma dona de casa com ascendência portuguesa, a paulistana Ana Paula, aos 17 anos, foi cursar administração de empresas, época em que entrou no banco Bamerindus como secretária. Trabalhou seis meses no cargo, até tornar-se trainee. Queria ser gerente e, para isso, precisava estudar. “Um chefe me falou: ‘Ana, você é mulher, não adianta estudar tanto, porque você não vai crescer’.” Essa não seria a única vez em que a condição feminina surgiria como um empecilho. Com nove anos de banco, ela foi fazer um MBA na Universidade de Pittsburgh (EUA), onde estudou com um executivo da Nestlé. Ao fim do curso, ele a convidou para trabalhar em vendas. Ana aceitou, mas passou por 12 entrevistas para convencer o gerente da área.

A executiva ganhou promoções em cada um dos seis anos em que trabalhou na Nestlé. Foi a primeira gerente de vendas mulher da companhia e, quando estava na área de marketing, em 2008, recebeu um convite para trabalhar na Kimberly-Clark. Quem a convenceu foi João Damato, então presidente da empresa. “’Você tem uma folha em branco para escrever a história com a gente”, ele disse. “Me pareceu um presente dos deuses”, conta.

A executiva, cujo grupo que comanda no Brasil conta com as marcas Kleenex, Neve, Scott e WypAll e 150 funcionários, descreve como foi o processo para lidar com fortes pressões. “Há 12 anos, tive uma anorexia, quase morri. Pesei 38 quilos, 20 a menos do que tenho hoje. Saí dela sozinha. Nunca tinha visto meu pai chorar. Lembro que um dia ele sentou-se ao lado da cama, chorando, e me disse: ‘Filha, por favor, reaja’. Levantei e decidi acabar com aquilo. Criei um equilíbrio de não ter grandes altos nem grandes baixos.”

No vídeo abaixo, Ana Paula Bógus fala sobre o cenário de mulheres CEOs no Brasil:

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).