Ana Paula Assis: É preciso mais exemplos femininos de liderança

Luciana Prezia
Presidente da IBM para a América Latina fala como vê o cenário feminino em cargos de chefia no Brasil

Eleita uma das Mulheres Mais Poderosas do Brasil em 2019, Ana Paula Assis, presidente da IBM para a América Latina, fala como vê o cenário feminino em cargos de liderança no Brasil. Ela também revela qual foi seu maior desafio na carreira.

O período entre o segundo semestre de 2015 e os primeiros meses de 2017 está gravado na memória de Ana Paula como o momento de sua vida em que ela mais cresceu. Foi quando a executiva recebeu o convite para assumir a divisão de softwares da IBM na China, país no qual ela nunca havia pensado em morar. “Desconstruí muita coisa nessa época”, conta.

Logo depois, Ana Paula regressou ao Brasil para liderar uma área que precisava de grande reestruturação. “Era preciso reconstruir o time e, principalmente, a autoestima das pessoas. O turn around foi bem rápido. E não sei se sem essa experiência na China eu teria sabedoria para isso.”

Desde julho de 2017, Ana Paula é presidente da IBM para a América Latina. Ela é a primeira mulher a ocupar o cargo – e o fez em meio a tempos econômica e politicamente turbulentos na região. “É uma responsabilidade enorme. Brinco que de monotonia eu não vou morrer”, conta a goianiense filha de um funcionário da FiatAllis e uma dona de casa, que se mudou para Brasília com 1 ano de idade e cresceu na capital federal.

Ela entrou para a IBM em um programa de estágio, que acabou em 1995. Ana Paula foi então para um provedor de serviços da multinacional. “Por um desses acasos da vida, deixei minhas faturas de cartão de crédito no escritório da IBM. Depois de quatro meses liguei para lá para poder pagar e soube que o gerente do escritório estava atrás de mim fazia algum tempo, mas ninguém tinha meu contato. Ele me disse: ‘Ainda bem que a encontrei. Quero contratar você’.” Desde então, não saiu mais da empresa e, além da China, passou por Nova York.

Reconhecida no mercado por sua experiência em inteligência artificial e responsabilidade de dados, Ana Paula atua fortemente para o desenvolvimento de ambientes de trabalho inclusivos e ajustados às profissionais mulheres – ela costuma dizer que não é a mulher que deve se adaptar à empresa, e sim o contrário. “Encontrei poucos exemplos de mulheres em cargos de liderança ou altas executivas, o que acaba inibindo algumas mulheres a perseguirem isso. Ou elas acham que não é para elas ou que é um caminho extremamente árduo, e o sacrifício pode não compensar. Por isso a importância de mais mulheres em postos de liderança. Precisamos criar um ambiente mais aderente e mais inclusivo para a necessidade feminina”, afirma.

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil (copyright@forbes.com.br).